Opinião

Marine Le Pen na Web Summit – será que pode?

Dentro daquilo que são os meus valores fundamentais, Boaventura Sousa Santos e Marine Le Pen são apenas irmãos desavindos.

Muito me tenho eu divertido com o entra-e-sai do nome de Marine Le Pen da lista de oradores da próxima Web Summit, mais as reacções descabeladas que tenho visto por aí. Como bom liberal que sou, qualquer político ou académico nacionalista, colectivista, proteccionista e iliberal está nos antípodas de tudo aquilo em que acredito, seja ele de extrema-direita ou de extrema-esquerda. Dentro daquilo que são os meus valores fundamentais, Boaventura Sousa Santos e Marine Le Pen são apenas irmãos desavindos – ambos admitem o uso de políticas autoritárias e cerceadoras das liberdades individuais como forma de alcançar objectivos ideológicos, e a tolerância para com essa mecânica autocrática é muito mais importante para mim do que qualquer diferença nos objectivos que pretendam alcançar. Um é mais amigo de Nicolás Maduro, Evo Morales e Daniel Ortega; a outra prefere Putin, Orbán ou Trump; mas ambos odeiam de morte o liberalismo e, muito provavelmente (embora não o admitam abertamente), a democracia liberal.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O caso é interessante por a Web Summit ter o apoio do governo português. É questionável que os nossos impostos devam servir para patrocinar intervenções da senhora Le Pen no Pavilhão Atlântico. Tal como é questionável que sirvam para pagar a actuação da Banda do Exército em manifestações de propaganda ao regime venezuelano. Ou a transformação dos departamentos de ciências sociais das universidades portuguesas em campos de treino e recrutamento da extrema-esquerda. O problema está na duplicidade de critérios – a intolerância para com a extrema-direita contrasta com a tolerância para com a extrema-esquerda – e numa manipulação da linguagem que descamba rapidamente em desrespeito pela liberdade de expressão. E aí, sim, tocam numa das minhas vacas sagradas.

Desde logo, Marine Le Pen é apelidada de fascista, racista e até nazi. Problema: ela não admite ser nada disso. Defender que a França deve ser dos franceses não é o mesmo que defender que a França deve ser dos cristãos brancos. Ser nacionalista, embora triste, não é o mesmo que ser fascista, racista ou nazi. Dir-se-á: Le Pen não o diz abertamente porque não pode, mas lá no fundo é o que pensa. Talvez sim. Mas então usem o mesmo critério em relação ao Partido Comunista, que na aparência se diz democrático, mas lá no fundo, no fundo, quer é instituir uma ditadura do proletariado e continua a defender a Síria e a Coreia do Norte.

O problema do deslizamento dos conceitos é evidente no comunicado do SOS Racismo sobre o caso. “O racismo não é uma opinião”, dizem. Na verdade, o racismo é precisamente isso – uma opinião, um juízo subjectivo que reflecte uma forma pré-concebida de ver o mundo. O racismo é um preconceito discriminatório, moral e juridicamente inaceitável no século XXI – mas isso não significa que possa ser eliminado enquanto opinião. O racismo não é, isso sim, uma verdade científica. Tal como o criacionismo não pode ser ensinado em escolas, também o racismo não pode ser propagado por instituições respeitáveis. Daí não decorre, contudo, que os racistas devam ser impedidos de falar – e muito menos Marine Le Pen, que afirma não o ser. O convite à senhora Le Pen é polémico, sem dúvida. Mas bem mais grave é isto: há uma mania muito contemporânea de querer cortar o pio às opiniões que consideramos abjectas. E isso representa um retrocesso político escandaloso para quem acredita no respeito pela liberdade de pensamento e de expressão.