Educação

Professores dispostos a fazer greve em Março

Em causa, está, segundo Mário Nogueira, a falta de apresentação de propostas, por parte do Governo, em relação a matérias como reposicionamento de carreiras, recuperação do tempo de serviço congelado, horários de trabalho e aposentação.
Foto
Rui Gaudencio/Arquivo

Os professores ameaçam com uma greve na semana de 12 a 16 de Março se o Governo não apresentar soluções às suas reivindicações, segundo uma resolução aprovada nesta sexta-feira num plenário em Lisboa.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

De acordo com a resolução, entregue no Ministério da Educação por uma delegação liderada pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, a paralisação, a realizar-se, será no país todo, mas numa região diferente em cada dia.

Em causa, está, segundo Mário Nogueira, a falta de apresentação de propostas, por parte do Governo, em relação a matérias como reposicionamento de carreiras, recuperação do tempo de serviço congelado, horários de trabalho e aposentação.

A proposta de convocação da greve será apresentada pela Fenprof às outras organizações sindicais de professores numa reunião a 9 de Fevereiro.

À porta do ministério concentraram-se cerca de 300 professores e educadores que estiveram, horas antes, reunidos em plenário.

Os professores admitem novas greves e uma manifestação no terceiro período lectivo caso o Governo "mantenha posições negociais negativas ou continue a adiar os processos negociais".

Para 28 de Fevereiro, ameaçam com uma concentração se o Governo "não contar todo o tempo de serviço prestado pelos docentes". Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral da Fenprof frisou que "é tempo e altura" de o Governo "honrar os compromissos" assumidos a 18 de Novembro.

"Fevereiro tem de ser o mês para haver propostas e soluções, senão o mês de Março vai ser de luta", assinalou Mário Nogueira, criticando "a estratégia" do Governo de "não ter propostas para nada" ou ter "propostas negativas". Mário Nogueira disse que a Federação Nacional dos Professores está aberta "a propostas" de acções de protesto "que cheguem de outras organizações sindicais".