Jornal de Angola defende fim dos investimentos em Portugal

“Todos os investidores estrangeiros são bons para Portugal, menos os angolanos", escreve o diário estatal. "Vai sendo tempo de respondermos na mesma moeda."

O editorial da edição desta quarta-feira do diário estatal Jornal de Angola defende o fim dos investimentos angolanos em Portugal, considerando que, ao contrário de outros, o investidor angolano não é bem-vindo.

Sob o título “Alvos selectivos”, o editorial do único diário que se publica em Angola defende ainda que Portugal “não é de confiança”.

“Todos os investidores estrangeiros são bons para Portugal, menos os angolanos. Não há qualquer desconfiança dos que compram aeroportos, portos, companhias de aviação, de electricidade, posições maioritárias em bancos”, alega o editorial.

“Mas se algum angolano anunciar que vai investir num determinado sector, uma matilha ruidosa de comentadores avençados lança logo calúnias sobre o comprador e envenena os possíveis negócios com intrigas e desconfianças inaceitáveis”, acrescenta.

Partindo do princípio de que as “elites portuguesas corruptas decididamente não querem nada com os investidores angolanos”, o Jornal de Angola defende a retaliação. “Vai sendo tempo de respondermos na mesma moeda. E quem já investiu que leia os jornais, oiça as rádios e televisões (...) Um país que valoriza lixo humano como se fosse oiro de lei não tem condições para receber um euro sequer de investimento. Quem promove bandidos a heróis não é de confiança”, acentua.

O “lixo humano” a que se refere o Jornal de Angola são o que o diário angolano cita como “heróis dos portugueses” que seguem “os caminhos da insídia e da traição em Angola”.

“Qualquer pobre diabo que soletre umas palavras contra o Executivo de Angola ganha em Lisboa o estatuto de activista dos direitos humanos e tem todo o espaço nos órgãos de comunicação social. Angolano que em Lisboa insulte os titulares dos órgãos de soberania de Angola é um herói para os portugueses. É assim desde o 25 de Abril e tem-se agravado desde que os angolanos começaram a investir em Portugal”, argumenta.

O jornal estatal angolano considera que "Portugal tem um problema insolúvel com os seus heróis" e que se hoje valoriza o que chama "lixo humano", no tempo da guerra colonial "guindava aos píncaros da fama e cobria com o manto do heroísmo os que assassinavam populações indefesas". "Anda por aí muito assassino com as mais altas condecorações portuguesas. Alguns até se opuseram ao 25 de Abril de 1974 e tentaram salvar o império combatendo ao lado das tropas do regime de apartheid da África do Sul ou integrando esquadrões especiais armados pelo ditador Mobutu" [antigo Presidente do Zaire, actual República Democrática do Congo].

O editorial desta quarta-feira segue-se ao que foi publicado no passado domingo, assinado por José Ribeiro, director do diário angolano, e surge após a notícia avançada na última edição do semanário Expresso, segundo a qual o procurador-geral da República de Angola, João Maria de Sousa, está a ser investigado em Portugal pelo Ministério Público por “suspeita de fraude e branqueamento de capitais”.

No texto de domingo, José Ribeiro “desconfia” da boa-fé de Portugal nas relações com Angola, referindo haver “perseguições” aos interesses angolanos.

Na sequência deste texto, João Maria de Sousa reagiu, num comunicado enviado segunda-feira à agência Lusa em Luanda, em que classifica como “despudorada” e “desavergonhada” a forma como o segredo de justiça é “sistematicamente violado” em Portugal em casos relativos a “honrados” cidadãos angolanos.

No texto da edição desta quarta-feira do estatal Jornal de Angola, considera-se que a notícia do semanário Expresso, apresentado como “jornal oficial do PSD”, partido que lidera a coligação governamental em Portugal, constituiu um “assassínio de carácter”.

"Magistrados do Ministério Público em Portugal seleccionaram como alvo a abater o procurador-geral da República, João Maria de Sousa. Desengane-se quem pensa que se trata de um mero acaso", diz. "Não foi ocasional o ataque brutal que os serviços do Ministério Público de Portugal fizeram contra o vice-presidente da República [Manuel Vicente] e outros dirigentes angolanos."

Em Novembro, o Expresso avançou a notícia, confirmada pelo PÚBLICO, da existência de uma investigação contra “altos dirigentes angolanos” por suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais. Seriam pelo menos três figuras do círculo próximo do Presidente, José Eduardo dos Santos: Manuel Vicente, vice-chefe de Estado e ex-director-geral da empresa petrolífera Sonangol, o general Hélder Vieira Dias "Kopelipa", ministro de Estado e chefe da Casa Militar da Presidência, e o general Leopoldino Nascimento "Dino", consultor do ministro de Estado e ex-chefe de Comunicações da Presidência.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.