Biografia oficial omite ligação de Rui Machete ao BPN

Governo diz que da biografia constam apenas as funções públicas. É a segunda vez que uma biografia de um membro deste Governo é omissa quanto a ligações ao BPN: o primeiro caso foi o de Franquelim Alves, secretário de Estado da Inovação e do Empreendedorismo.

O ministroé ouvido à porta fechada sobre incidente com Guiné Bissau enric vives-rubio

A biografia do novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, enviada nesta terça-feira pelo gabinete do primeiro-ministro aos órgãos de comunicação social é omissa quanto à passagem do antigo presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) pela Sociedade Lusa de Negócios.

O Governo justifica a ausência de qualquer referência às funções desempenhadas por Rui Machete na sociedade que detinha o Banco Português de Negócios (BPN) referindo que dessa biografia constam apenas funções públicas.

“O currículo público do dr. Rui Machete é aquele que foi divulgado”, disse ao PÚBLICO Rui Baptista, assessor do primeiro-ministro.

Rui Machete
foi presidente ao longo de vários anos do conselho superior da Sociedade Lusa de Negócios (SLN), a dona do Banco Português de Negócios (BPN), onde o Estado português injectou a fundo perdido cerca de 4 mil milhões de euros.

Na sua qualidade de então presidente da Fundação Luso-Americana, Rui Machete esteve ligado ao Banco Privado Português (BPP), onde foi membro também do conselho consultivo, e onde adquiriu cerca de 3% das acções, investimento que a FLAD perdeu quando o banco declarou falência. 

O currículo oficial de Rui Machete enviado pelo Governo menciona os cargos governativos anteriormente desempenhados pelo novo ministro dos Negócios Estrangeiros – foi, nomeadamente, ministro dos Assuntos Sociais, ministro da Justiça, vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa –, bem como funções parlamentares, passagens por instituições públicas como a FLAD ou o Banco de Portugal, currículo académico e actividade docente.

As únicas menções a cargos em empresas são a direcção do departamento jurídico da Companhia Portuguesa de Electricidade e depois da EDP.

Em declarações à Rádio Renascença, o coordenador do Bloco de Esquerda João Semedo disse tratar-se de uma “escolha de mau gosto”.

“Rui Machete foi, durante muitos anos, presidente do conselho superior do grupo BPN/SLN, teve uma posição de grande responsabilidade, muita proximidade do que se verificou naquele grupo e que nós todos hoje sabemos, até porque estamos a pagar muitos milhões de euros que as fraudes sucessivas no grupo BPN/SLN  provocaram”, afirmou João Semedo àquela rádio.

Segundo caso de omissão

É a segunda vez que dados biográficos relativos a ligações à SLN e ao BPN são omitidos da biografia oficial de um governante. Em Janeiro deste ano, a passagem do secretário de Estado da Inovação e do Empreendedorismo, Franquelim Alves, pela SLN fora também omitida da biografia oficial.

Em Fevereiro deste ano, Franquelim Alves explicou-se no Parlamento quanto à sua ligação ao banco, durante aproximadamente um ano, afirmando ter sido "a pior opção profissional da [sua] vida”.

"Foi possivelmente a pior opção profissional da minha vida, não por ter algo a ver com o que se passou lá, mas por me ver confrontado com uma situação complexa. Saí, por minha mão, quando considerei que não tinha condições. Sinto-me um cidadão de pleno direito e não tenho nenhuma razão para não aceitar o convite que honrosamente me foi colocado", disse então aos deputados.
 
 
 
 
 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.