Agricultura

Proleite defende redução da produção de leite em Portugal

A Cooperativa Agrícola de Produtores de Leite (Proleite) desmarca-se do protesto da Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep) à Lactogal, amanhã nas instalações do Porto da empresa
Foto
Rui Soares ( colaborador)

A Cooperativa Agrícola de Produtores de Leite (Proleite) disse hoje ter feito "um esforço significativo para que a quebra de remuneração do leite aos produtores seja inferior a 0,5 cêntimos/litro" e pede ao Governo que defenda a produção nacional.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, na véspera de uma manifestação marcada pela Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep) para a porta da empresa Lactogal, a Proleite esclarece a sua posição sobre as recentes polémicas neste sector e pede ao Governo que seja "mais activo na defesa da produção nacional".

A Proleite começa por se desmarcar da iniciativa programada para quinta-feira às 12:00 horas nas instalações do Porto da Lactogal, esclarecendo: "Desde logo clarificar que tal associação [referindo-se à Aprolep] não representa os produtores da Proleite, os quais sendo produtores cooperativos têm o direito de expressar as suas opiniões quanto à gestão da cooperativa nos locais institucionalmente previstos para o efeito".

De seguida, a Cooperativa Agrícola de Produtores de Leite analisa que "o excesso da produção de leite na União Europeia (UE) e em Portugal configura uma situação estrutural, sendo que a persistência do actual elevado nível de produção colocará em causa a sustentabilidade económica da actividade em Portugal", para concluir que "nos últimos anos, a produção de leite em Portugal tem sido sustentável devido ao modelo implementado há mais de 20 anos no sector, que passou pela constituição da Lactogal".

Segundo analisa a Proleite, desde 2015, data do fim das quotas leiteiras na UE, que a questão do excesso de leite se tem vindo a agudizar, uma vez que a produção de leite na Europa aumentou, o arquipélago dos Açores atingiu em 2017 o pico máximo de produção, o consumo sofreu uma alteração estrutural e mais recentemente o mercado espanhol, que escoava 100 milhões de litros de leite português, fechou-se por força de medidas proteccionistas.

"Por tudo isto, tornou-se imperioso reduzir a produção de leite em Portugal. A Proleite, em conjunto com os seus produtores, está a trabalhar nesse sentido desde o início do ano, procurando minimizar os efeitos negativos na rentabilidade da produção de leite e indo ao encontro das expectativas dos seus cooperadores", aponta a cooperativa.

Já a propósito do preço, a Proleite aponta na nota que "a redução de um cêntimo/litro decidida unanimemente na passada semana, aplica-se à entrega de leite das cooperativas à Lactogal", afirmando que "efectuou um esforço significativo possibilitando que a quebra de remuneração do leite aos seus produtores seja inferior a 0,5 cêntimos/litro".

Por fim, a Proleite sublinha o pedido à tutela para que, lê-se no comunicado, "a exemplo do que aconteceu em Espanha", seja "mais activo" no que se refere à "promoção de uma cadeia de valor mais equilibrada, nomeadamente no que respeita à postura da grande distribuição".