Media

Provedores pedem que RTP reduza notícias de futebol e não difunda discurso agressivo

A RTP deve "reduzir o número e a importância" de notícias sobre futebol, devendo também ir além dos "três grandes".
Foto
Os provedores e ouvintes reconhecem que a RTP se absteve de ter "programas em que o insulto, o excesso e a gritaria são a imagem de marca" Paulo Pimenta

Os provedores do ouvinte e do telespectador da RTP defenderam que o serviço público de rádio e televisão deve reduzir as notícias sobre futebol nos noticiários e não difundir discurso agressivo em torno do futebol. Em comunicado divulgado esta terça-feira, os provedores João Paulo Guerra e Jorge Wemans fizeram seis recomendações que os canais e estações de rádio da RTP devem cumprir na próxima época de futebol, nomeadamente de que a "RTP deve abster-se de dar a voz a todas as figuras conhecidas por fomentarem o estilo incendiário".

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

Já quando essas figuram ocupam lugares institucionais, dizem, os seus depoimentos devem "ser reduzidos ao estritamente necessário imposto pela agenda informativa".

Defendem ainda que a RTP deve "reduzir o número e a importância conferida às notícias sobre futebol nos serviços informativos", para que cumpra o objectivo de "oferecer informação diversificada e atenta aos vários temas que marcam a actualidade", e recordam que muitas modalidades só têm visibilidade pelo serviço público, pelo que deve ser-lhes dada "atenção, cobertura e notoriedade que lhes permita progredir em termos de público e praticantes".

Sobre os trabalhadores, dizem que a RTP "devem defender os seus profissionais e proporcionar-lhes meios de defesa jurídica quando eles sejam acusados sem provas, injuriados por sistema e mesmo agredidos fisicamente, como aconteceu no final da Taça de Portugal de futebol, no Jamor".

Dirigido apenas à televisão, pedem os provedores que haja a "quebra do quase monopólio que os ditos 'três grandes' clubes detêm no canal que emite debates sobre futebol nacional". Para João Paulo Guerra e Jorge Wemans, a RTP3 "não pode deixar de igualmente oferecer um outro programa em que regularmente participem adeptos dos restantes clubes da I Liga". Na rádio, por sua vez, querem que na transmissão de futebol haja "mais relato e menos comentários nos 90 minutos de jogo".

Os provedores do ouvinte e do telespectador da RTP fazem estas recomendações, apesar de considerarem que por várias vezes o serviço público de rádio e televisão se absteve de veicular acusações de agentes e intermediários desportivos sem provas, de participar em alegadas conferências de imprensa sem direito a perguntas ou não ter albergado "nenhum dos programas em que o insulto, o excesso e a gritaria são a imagem de marca".

Contudo, dizem, "pode e deve fazer mais, sobretudo tendo em conta a gravidade da situação a que se chegou e que ameaça contaminar todo o espaço público de debate e discussão"