As caras por trás das marcas

Ana e Cláudio Amaral criam os cosméticos naturais e cruelty-free Real Natura

No ano passado, o casal facturou mais de dois milhões de euros. Os produtos estão à venda em parafarmácias e nas lojas Celeiro e Pluricosmética de todo o país.
Foto
Daniel Rocha

Primeiro veio o amor e o gosto por usarem produtos naturais. Depois criaram a marca Real Natura, em 2010, que produz e vende produtos cosméticos feitos com matérias-primas de origem natural, livres de substâncias tóxicas e cruelty free, ou seja, que não são testados em animais. Ana Mónica e Cláudio Amaral passaram da loja de produtos naturais e dietéticos em Lisboa, para um armazém às portas da cidade, em Vialonga. Só o ano passado facturaram mais de dois milhões de euros.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Havia uma "lacuna no mercado", diz Ana Mónica Amaral, arquitecta de formação e que foi auxiliar na Ajuda de Berço, uma associação que apoia bebés e crianças em risco. Em pequena, a empresária sonhava cantar ou ser actriz e brincava com os cabelos das bonecas, mas nunca lhe passou pela cabeça que, um dia, iria criar champôs e produtos de beleza. 

Quando Ana Mónica e Cláudio Amaral se viram pela primeira vez, foi amor à primeira vista. Conheceram-se na loja de produtos naturais de Cláudio. “Com aquele sotaque brasileiro pediu-me em casamento apenas uma semana depois de começarmos a namorar”, conta. Ainda trabalharam juntos na loja – estão casados há 14 anos –, mas depois perceberam que havia mercado para produtos de cosmética de origem natural e criaram a Real Natura. “Trouxemos para o mercado um produto com boa qualidade que é fabricado em Portugal. Criámos as fórmulas dos produtos”, explica Ana, a empresa tem um engenheiro químico que faz as fórmulas. Hoje a empresa emprega 16 pessoas.

O primeiro produto que criaram foi um creme de rosto anti-rugas chamado Baba de Caracol, depois voltaram-se para os produtos anti-celulite, e só depois é que vieram os produtos capilares naturais e cruelty free, sem substâncias tóxicas, livres de parabenos, silicone e sal. “Não são produtos vegan, porque usamos mel, que é um ingrediente de origem animal, na linha de abacate e mel para cabelos quebradiços”, elucida. “Mas fomos os primeiros em Portugal a ter produtos sem sal”, acrescenta. 

Há cosméticos para todos os tipos e formas de cabelos e necessidades: um champô anti-queda, outro para cabelos oleosos, com cachos ou sensíveis, os condicionantes, as máscaras, as ampolas anti-queda, os séruns e os óleos. Alguns dos champôs têm cafeína que, informa Ana Mónica Amaral, “impulsiona o crescimento mais rápido dos cabelos e prolonga o seu ciclo de vida”.

O casal criou ainda uma linha para criança e uma percentagem das vendas chegou a reverter a favor da Ajuda de Berço. “Somos muito criativos e estamos sempre a lançar produtos novos. O último que criámos foi um cronograma capilar com tratamento em três máscaras”, informa a empresária que garante que foram “os primeiros em Portugal a ter um bronzeador de urucum, que é uma planta tropical usada como corante natural”. Do portefólio de produtos também constam óleos de massagem para profissionais, alguns sem aroma e corantes. 

A Real Natura não tem loja própria. Os produtos estão à venda em parafarmácias e nas lojas Celeiro e Pluricosmética de todo o país. Também vende para Espanha, França, Luxemburgo e Angola. A exportação representa 16% da facturação.