Aplicações

As dez aplicações Android que mais recursos consomem, segundo o El País

Bateria, dados móveis e memória: das dez aplicações que mais consomem os recursos dos dispositivos Android, quatro pertencem ao Facebook.
Foto
A lista, feita com base num estudo da Avast!, pode ajudar a perceber porque é que a bateria do telemóvel dura tão pouco Reuters/KIM HONG-JI

O diário espanhol El País fez uma lista com as dez aplicações que mais consomem os recursos dos dispositivos Android. Em dez posições, quatro são ocupadas por aplicações do Facebook. A lista, feita com base num estudo da Avast!, pode ajudar a perceber porque é que a bateria do telemóvel dura tão pouco ou porque é que o plano de dados móveis se esgota tão rapidamente. 

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

As aplicações que consomem mais bateria já são conhecidas. O Snapchat e o Spotify encabeçam a lista da empresa de segurança informática checa Avast!, lançada no início de Fevereiro deste ano, seguidas pelo Tinder (em sexto lugar) e pelo Clean Master (em oitavo) — a aplicação para limpar a memória de dispositivos Android corre em segundo plano e aumenta o consumo da bateria.

A lista mais recente da Avast!, publicada pelo El País, elenca as dez aplicações que consomem mais recursos — como memória, bateria e dados móveis — quando nem sequer presisam de estar abertas. Basta que estejam instaladas para começarem a consumir.

Facebook

Só em Dezembro de 2016, 1.150 milhões de utilizadores acediam ao Facebook a partir da aplicação, contabiliza o El País. E esta faz actualizações em segundo plano constantemente, para poder enviar notificações ao utilizador, o que a torna na maior consumidora de recursos de acordo com a Avast!.

Musical.ly

Esta app não é a mais conhecida da lista – tem crescido entre os jovens, que constituem o grosso dos seus 90 milhões de utilizadores registados em Julho de 2016 — mas é uma das que mais gasta os recursos de um telemóvel. A aplicação permite que se façam pequenos vídeos de 15 segundos, nos quais os utilizadores podem fazer playback e coreografias de músicas populares, assim como interpretar diálogos de séries e filmes.

O segundo lugar é-lhe atribuído porque ocupa um grande volume de dados na cache do telemóvel. A bateria também foi um problema para a Avast!: esta aplicação é capaz de consumir a bateria de um Samsung Galaxy 6, completamente carregado, em apenas duas horas.

Google Maps

A Google teve de fazer cedências quando apostou na versão da aplicação que permite a utilização sem acesso à Internet. Ainda que muitos utilizadores tenham agradecido o fim do consumo de dados móveis, a aplicação tem de alimentar-se em segundo plano e, por isso, consome a bateria e memória do dispositivo.

Whatscall

A app que permite ligar para números móveis e fixos sem pagar – a troco de visualizações em anúncios, convites para convencer os amigos a instalar a aplicação ou downloads de aplicações terceiras – é a quarta maior consumidora de bateria, memória e dados para a Avast!.

Daily Mail Online

A aplicação do jornal britânico Daily Mail é a quinta maior consumidora de recursos. Aparentemente, a aplicação do jornal ocupa muita memória quando faz as actualizações dos conteúdos, explica o El País.

Instagram

Depois do Facebook, o Instagram (que também é propriedade de Mark Zuckerberg, desde 2012) é uma das redes sociais mais populares do mundo: em 2016 conseguiu chegar aos 600 milhões de utilizadores. Destes, mais de 300 milhões são utilizadores frequentes, fazendo com que seja uma das redes sociais mais populares para partilha de imagens e pequenos vídeos (com 30 segundos, no máximo). No entanto, e tal como o irmão Facebook, a aplicação começa a correr em segundo plano para fazer notificações, o que consome bateria, memória e dados.

Ynet

A aplicação do jornal israelita Yedioth Ahronoth, o jornal editado em hebraico com maior circulação do país, consome muitos recursos porque tem um problema semelhante ao do Facebook e Instagram: as notificações.

BBM

A BlackBerry não desapareceu completamente – a prova é que o seu serviço de mensagens instantâneas continua a ser utilizado, mesmo que os telemóveis já não sejam populares. Mas de acordo com o ranking da Avast!, o principal efeito colateral é o consumo de bateria. Esta aplicação foi uma das mais populares até ao final da primeira década de 2000, altura em que começou a perder para os rivais Whatsapp e iMessage

Facebook Pages Manager

O gestor de páginas do Facebook, que permite responder a comentários e mensagens e fazer publicações a partir do smartphone ou tablet, é dos que mais consome recursos, com especial ênfase para o espaço de armazenamento. Apesar da utilidade, o El País sublinha que vale a pena pesar os prós e os contras antes de instalar.

Facebook Messenger

No final da lista está a aplicação de mensagens instantâneas do Facebook. As notificações são o seu principal problema porque consomem recursos em segundo plano — consumo esse que tem aumentado desde que passou a ser possível falar com bots, relembra o El País