Instituto Nacional de Estatística

Taxa de desemprego de 6,8% em Junho é a mais baixa desde Setembro de 2002

A taxa de desemprego desceu para 6,8% em Junho, quer em termos homólogos quer em cadeia, sendo a mais baixa desde Setembro de 2002, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).
Foto
Rita Franca

"A taxa de desemprego de Junho de 2018 situou-se em 6,8%, menos 0,2 pontos percentuais que no mês anterior, menos 0,7 pontos percentuais em relação a três meses antes e menos 2,3 pontos percentuais que no mesmo mês de 2017", refere a estimativa mensal de emprego e desemprego do INE.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

"Aquele valor representa uma revisão em alta, de 0,1 pontos percentuais, da estimativa provisória divulgada há um mês", prossegue o INE, adiantando que "desde Setembro de 2002 que não era observada uma taxa de desemprego tão baixa".

No que respeita "ao mês precedente, a população desempregada diminuiu 3% (menos 10,9 mil pessoas) e a população empregada aumentou 0,4% (mais 20,3 mil pessoas)", refere o INE.

"A estimativa provisória da taxa de desemprego de Julho de 2018 aponta para a manutenção da taxa de desemprego no mesmo valor do mês anterior (6,8%)", acrescenta.

Em Junho, a população empregada foi estimada em 4.811,6 mil pessoas, tendo aumentado 0,4% (20,3 mil) em relação ao mês anterior (Maio de 2018), 0,7% (32,6 mil) em relação a três meses antes (Março de 2018) e 2,8% (132,3 mil) em comparação com igual mês do ano passado.

"Aquele valor foi revisto em mais 0,1% (6,6 mil) relativamente ao provisório publicado há um mês", adianta.

A taxa de emprego situou-se em 61,8%, o que corresponde a um decréscimo de 0,1 pontos percentuais em relação ao mês anterior e a um acréscimo de 0,2 pontos percentuais em relação a três meses antes e de 1,4 pontos percentuais em comparação com o período homólogo de 2017.

Em Junho, a população desempregada foi estimada em 352,4 mil pessoas, uma diminuição de 10,9 mil (3%) face ao mês anterior e de 32,7 mil (8,5%) face a Março.

Relativamente a Junho de 2017, a diminuição foi de 25% (117,6 mil).

"Aquele valor representa uma revisão em alta de 1,5% (5,3 mil) da estimativa provisória", refere o INE.