Comboios

CP perde 55 milhões de euros no semestre apesar do aumento de passageiros

A empresa fechou o primeiro semestre com um resultado negativo de 55,3 milhões de euros, uma melhoria ligeira face ao período homólogo. Os passageiros transportados aumentaram 3,2% no período.
Foto
Sérgio Azenha

A CP – Comboios de Portugal fechou o primeiro semestre do ano com um prejuízo de 55,289 milhões de euros, uma melhoria de 4,6% face ao prejuízo de 57,9 milhões registado no mesmo período do ano anterior, de acordo com as contas semestrais publicadas esta terça-feira. 

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Este resultado foi obtido num contexto de melhoria em praticamente todos os indicadores operacionais: mais passageiros, mais proveitos por passageiro. E foi alcançado sem indemnizações compensatórias, nem contratualização do serviço público. 

Ainda assim, a gestão liderada por Carlos Nogueira refere, no relatório e contas, que a recuperação dos resultados foi limitada pelo "acréscimo de gastos com pessoal, em função, nomeadamente, do impacto da reposição das progressões, da revisão do regulamento de carreiras e do acréscimo de trabalho extraordinário".

Para além disso, a pesar nos resultados esteve ainda a diminuição dos gastos com fornecimentos e serviços externos, "destacando-se os decréscimos das rubricas de energia eléctrica para tracção e conservação e reparação de material circulante e o aumento dos gastos relativos à utilização das estações e apeadeiros", na sequência de uma decisão da Infraestruturas de Portugal. 

Lisboa cresce mais, regional recua

O número de passageiros transportados aumentou 3,2% entre Janeiro e Julho, para um total de 62,069 milhões, o que levou o rendimento de tráfego a crescer 6,4% para 126,2 milhões de euros. Ainda assim, o número de passageiros transportados ficou aquém (1%) do estimado inicialmente. 

O EBITDA – equivalente ao rendimento operacional da actividade de transporte – subiu 20% para os 9,5 milhões de euros, um desempenho totalmente eclipsado pelo resultado operacional, que, apesar de ter melhorado 1,6%, continuou negativo nos 18,5 milhões de euros. 

Por tipo de serviço, aquele que registou um melhor desempenho foi o serviço urbano de Lisboa, que subiu 4,4% para os 42,7 milhões de passageiros. O urbano do Porto cresceu 1,6% para 11,006 milhões, enquanto o longo curso melhorou em 2% para os 3,094 milhões. O serviço regional perdeu passageiros, mais concretamente 2,3% para os 5,247 milhões. 

A gestão sublinha nas contas que "estes resultados reflectem a continuada dinâmica comercial da empresa". No entanto, sublinha, estão limitados por "diversos constrangimentos que afectaram a operação ferroviária e que originaram uma degradação da qualidade do serviço prestado". Entre eles, a equipa liderada por Carlos Nogueira destaca "o agravamento das condições da infra-estrutura, as greves ocorridas e o aumento da taxa de indisponibilidade do material, por falta de capacidade produtiva da EMEF". 

O PÚBLICO foi andar de comboio em plena crise de Verão na ferrovia, entre supressões, avarias e carruagens a ferver. Veja a série de reportagens A Ver Passar Comboios