Trabalho

Abrandamento da economia não trava queda do desemprego

Dados mensais do desemprego revelados pelo INE mostram manutenção de tendência de descida que pode ultrapassar projecções feitas para o final do ano.
Foto
Desemprego manteve trajectória descendente em Maio pcm patricia martins

Nem os recentes sinais de abrandamento na zona euro, nem as ameaças de uma guerra comercial internacional alteraram a tendência de melhoria das condições no mercado de trabalho em Portugal, com o desemprego a continuar a cair a um ritmo que, a prolongar-se o ritmo de descida dos últimos meses, poderia chegar à barreira dos 5% já durante o próximo ano.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa mensal de desemprego ajustada de sazonalidade caiu, em Maio, de 7,1% para 7%, elevando para 28 meses o período que Portugal já leva sem qualquer agravamento deste indicador.

No que diz respeito à taxa de desemprego não ajustada da sazonalidade, a descida foi ainda maior, passando-se de 7,2% em Abril para 6,8% em Maio, um resultado que não surpreende tendo em conta o efeito de criação de emprego que a aproximação do Verão normalmente tem.

Para além destes valores, o INE apresenta ainda, com base em dados preliminares, estimativas de uma nova redução da taxa do desemprego, ainda mais acentuada, durante o mês de Junho. Nos dados ajustados da sazonalidade, este indicador pode cair de 7% para 6,7% e, nos dados não ajustados de sazonalidade, de 6,8% para 6,4%.

O que os números do INE mostram é que, apesar de o ritmo de crescimento da economia portuguesa ser, de acordo com todas as projecções, mais lento em 2018 do que em 2017, a taxa de desemprego continua a cair a um ritmo semelhante e mesmo um pouco mais alto. Olhando para os dados corrigidos da sazonalidade, verifica-se que entre Maio de 2017 e Maio de 2018, a taxa de desemprego mensal diminuiu 2,2 pontos percentuais, ao passo que entre Maio de 2016 e Maio de 2017 a descida tinha sido de dois pontos percentuais, um valor ligeiramente mais baixo.

Os novos dados agora revelados reforçam também a ideia de que as projecções efectuadas para o desemprego este ano pelo Governo podem vir a revelar-se demasiado prudentes. Se o ritmo de descida da taxa de desemprego registado na primeira metade deste ano se viesse a prolongar nos próximos meses, Portugal poderia chegar ao final deste ano com uma taxa mensal na casa dos 5,5%, atingindo a barreira dos 5% (algo que aconteceu pela última vez no arranque de 2001) durante o próximo ano.

Para 2018, o Governo prevê actualmente uma taxa de desemprego anual (calculada através da média das taxas trimestrais) de 7,6%, uma estimativa feita em Abril e que na altura já representou uma revisão em baixa face aos 8,6% projectados em Outubro na apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2018.

Nos primeiros três meses do ano, a taxa de desemprego trimestral (que é apenas calculada sem o ajustamento da sazonalidade e com uma metodologia e universo diferente da taxa de desemprego mensal) foi de 7,9%. Os dados mensais agora publicados apontam para uma redução deste indicador, entre o período de Janeiro a Março e o período de Abril a Junho, de um pouco mais de um ponto percentual. O que isto pode significar é que existem indícios de que a taxa de desemprego do segundo trimestre, que será divulgada pelo INE na próxima semana, possa voltar a cair de forma acentuada, aproximando-se dos 7%.

O INE revela ainda que, em Maio face a Abril, a descida do desemprego aconteceu pela combinação de uma ligeira subida do número de empregados e uma redução mais forte do número de desempregados, o que significa que a população activa diminuiu durante esse período. No entanto, olhando para a variação homóloga, aquilo que aconteceu foi uma quase estabilização da população activa, com a diminuição do número de desempregados a reflectir-se numa subida quase equivalente do número de empregados.