Telemóveis

Apple pede desculpa por tornar iPhones antigos mais lentos

Empresa vai reduzir preços da troca de bateria e promete melhorar o seu software.
Foto
Reuters/EDUARDO MUNOZ

Numa altura em que enfrenta processos judiciais e críticas dos consumidores, a Apple vai reduzir o preço da substituição de baterias nos iPhones mais antigos e vai mudar o software para mostrar aos seus clientes se as baterias dos smartphones estão em bom estado.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Numa mensagem publicada no seu nesta quinta-feira, a Apple pede desculpa pela forma como lidou com a questão de tornar mais lentos os iPhones antigos e promete fazer mudanças para que “reconhecer a lealdade” dos seus clientes e “recuperar a confiança de quem possa duvidar das intenções da Apple”.

A empresa norte-americana disse que vai reduzir o preço da troca de bateria fora da garantia, passando-o de 79 para 29 dólares no caso dos Iphones 6 ou mais recentes, a partir do próximo mês. A empresa também vai actualizar o sistema operativo iOS para permitir que os utilizadores saibam se a bateria está em mau estado e se isso está afectar a performance do telefone.

“Sabemos que alguns de vocês sentem que a Apple vos desiludiu. Pedimos desculpa”, lê-se no comunicado da empresa.

A 20 de Dezembro, a Apple admitiu que o seu software reduz a velocidade de alguns telefones com problemas na bateria. Segundo a empresa, o problema advém do facto de que todas as baterias de ião lítio se degradarem e terem problemas em fornecer energia à medida que envelhecem e acumularem ciclos de carga, explicou então em comunicado. O mesmo problema pode acontecer quando as baterias estão frias ou com pouca carga.

Essa admissão da Apple foi ao encontro da crença de alguns clientes de que a empresa reduzia propositadamente a velocidade dos iPhones mais antigos para levar os consumidores a comprarem os modelos mais recentes.

A Apple diz agora que nunca fez nada para intencionalmente reduzir o tempo de vida de um produto, mas tem estado debaixo de fogo.

Foi alvo de pelo menos oito processos judiciais na Califórnia, Nova Iorque e Illinois, baseados na ideia de que a empresa defraudou os utilizadores ao reduzir a velocidade dos telefones sem os avisar. E enfrenta igualmente queixas em França, onde a chamada obsolescência programada é ilegal.