Consumo

Telemóveis e tablets Nokia vão regressar ao mercado global

Nova empresa criada por quadros da Nokia e da Microsoft comprou licenças para tentar revitalizar a marca.
Foto
A marca regressa quando o mercado está a arrefecer Dado Ruvic/Reuters

Depois de quase se ter eclipsado, a Nokia vai tentar uma segunda oportunidade junto dos consumidores de smartphones e tablets.  A marca, que continua a ser propriedade da companhia finlandesa que a criou, vai ser licenciada a uma nova empresa chamada HMD Global, também com sede na Finlândia, e que trabalhará com a fabricante taiwanesa Foxconn na criação de novos aparelhos para serem vendidos globalmente.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O regresso, anunciado nesta quarta-feira, permite à Nokia, actualmente focada nas infra-estruturas de comunicações, a possibilidade de rentabilizar uma marca histórica sem ter de se envolver directamente no negócio. Os novos aparelhos (não foi anunciado qualquer modelo) estarão equipados com o sistema operativo Android, que a Nokia se recusou a adoptar há uns anos, quando ainda pretendia disputar o mercado de smartphones.

A HMD Global foi criada por quadros da Nokia e da Microsoft (que comprou o negócio de telemóveis da multinacional finladesa há pouco mais de dois anos) e terá uma licença exclusiva para desenvolver e comercializar telemóveis e tablets Nokia durante dez anos, em todo o mundo, com a excepção do Japão.

O negócio envolve múltiplos licenciamentos. A marca Nokia está dividida pela multinacional finlandesa e pela Microsoft, que a eliminou dos seus smartphones (que passaram a chamar-se apenas Lumia), mas que continua a usá-la nos telemóveis tradicionais que ainda vende. A HMD pagará à Nokia e à Microsoft pelo uso da marca, bem como por patentes e outra propriedade intelectual relacionada com o fabrico de telemóveis. Paralelamente, a Foxconn comprou a cadeia de produção e distribuição de telemóveis tradicionais que estava nas mãos da Microsoft, o que inclui fábricas. Por fim, a HMD e a Nokia assinaram uma parceria com a Foxconn. Na prática, a HMD passará a controlar todo o processo, do fabrico à venda.

O regresso acontece quando o mercado dos smartphones está a abrandar significativamente. Números da analista de mercado IDC indicam que as vendas no primeiro trimestre de 2016 foram iguais às do mesmo período do ano passado. A Samsung tinha uma quota de 25% do mercado, seguindo-se a Apple, com 15%, e a Huawey, com 8%. Já as vendas de tablets, onde a Apple lidera, estão em queda há muito.

Para a Microsoft, isto é mais um passo para sair de um negócio que lhe correu mal. Os smartphones Lumia, equipados com sistema operativo Windows, têm vindo a perder quota de mercado e chegaram ao final do ano passado com uma fatia pouco acima de 1%. A empresa já tinha assumido que os mais de cinco mil milhões de euros gastos para comprar os telemóveis da Nokia se traduziram num activo praticamente sem valor.

A Nokia, por seu lado, vinha a ensaiar um regresso ao mercado da electrónica de consumo. No início do ano passado, lançou o tablet Nokia N1, resultado de um licenciamento à Foxconn. O tablet é vendido apenas na China continental e em Taiwan. Alguns meses depois, apresentou uma câmara para conteúdos de realidade virtual. É uma tecnologia que empresas como o Facebook e a Samsung estão a tentar impulsionar, mas que ainda está longe do consumo de massas. O aparelho destina-se a uso profissional e custa 55 mil euros.  

Já no mês passado, a Nokia anunciou a compra de uma empresa francesa chamada Withings, que fabrica e comercializa equipamentos pessoais com um foco na área da saúde, um segmento que tem vindo a ganhar a atenção dos consumidores. Entre os produtos, estão pulseiras e relógios inteligentes, bem como medidores de pressão arterial, balanças e termómetros capazes de comunicar com telemóveis.

Com o acordo de licenciamento, a Nokia continuará a ser essencialmente uma empresa dedicada às infra-estruturas de rede. É uma aposta que teve como ponto alto a recente compra da rival Alcatel-Lucent e que pretende posicionar a empresa para aproveitar as oportunidades do 5G, a próxima geração de tecnologias de telecomunicações, que deverá chegar ao mercado algures por volta de 2020.