Projecto orçado em 468 mil euros

Évora vai restaurar 20 fontes históricas

Duas dezenas de fontes e chafarizes públicos da cidade de Évora vão ser restaurados ao abrigo de um projecto do município que prevê um investimento de 468 mil euros, anunciou hoje a autarquia.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

Segundo a Câmara Municipal de Évora (CME), o projecto vai ser acompanhado por técnicos de conservação e restauro do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR).

Entre os 21 monumentos que serão alvo de intervenção incluem-se os chafarizes da Praça do Giraldo e das Portas de Moura, construídos nos finais do século XVI por ordem do Cardeal Infante Dom Henrique e hoje classificados como "Monumento Nacional".

A CME justifica o projecto alegando ser "imprescindível e urgente" a reabilitação deste valioso património histórico que "apresenta marcas de degradação consideráveis devido à acção da natureza e do Homem".

"A realização destas obras de restauro, conservação e iluminação dos monumentos permitirá um salto qualitativo na recuperação do património histórico da cidade de Évora", justifica o vereador Miguel Lima, responsável pelo Centro Histórico.

Além de obras de alvenaria, os trabalhos vão incluir a colocação de materiais em falta, como elementos metálicos e sistemas hidráulicos, a aplicação de produtos protectores para prevenir a oxidação, pintura e remoção de espécies vegetais na zona envolvente.

O conjunto de intervenções irá ainda abranger as fontes de ferro localizadas na Rua Gabriel Victor do Monte Pereira e nos Largos 1º de Maio, da Graça e dos Colegiais, bem como as fontes de pedra da Praça 1º de Maio, da Rua da República e dos Largos de Avis, Chão das Covas e dos Mercadores.