Documento foi enviado para várias entidades, como o Ministério da Saúde e a Ordem dos Médicos. São referidas situações de adiamento de cirurgias e consultas por falta de profissionais e também casos de equipamentos ultrapassados. Hospital fala em "alarmismo desnecessário".