Portugal tem a menor oferta de canais na TDT entre 34 países europeus

Na análise anual ao sector, o Observatório Europeu lembra também o falhanço no lançamento dos serviços de TV digital paga.

Rui Gaudêncio

Último lugar – é essa a posição de Portugal entre os 34 países europeus analisados pelo Observatório Europeu do Audiovisual (OEA) sobre a oferta de canais no serviço de Televisão Digital Terrestre (TDT).

No extremo oposto a Portugal, que oferece cinco canais na TDT, está a Itália, país onde a oferta nas redes de TDT chegava, no final de Dezembro, aos 118 canais, contabilizava o Observatório. No topo da lista dos países com mais canais estão também a Letónia (85) e o Reino Unido (79).

Por Portugal, o OEA contabiliza apenas quatro canais quando na verdade são já cinco, uma vez que o canal Parlamento está disponível na oferta da TDT. Mas ainda assim, continua na última posição, uma vez que o seguinte, a Eslováquia, tem sete canais nessa plataforma.

Os países que só têm TDT de acesso gratuito, como Portugal, são aqueles que oferecem um menor número de canais. Há, porém, países que contrariam essa tendência: dos 79 canais de TDT no Reino Unido, 71 são gratuitos; em Itália essa relação é de 51 pagos para 67 grátis; em França de nove pagos e 32 grátis; na Alemanha são dois pagos e 33 abertos.

De acordo com o Observatório, actualmente já 22 dos 27 Estados-membros da União Europeia fizeram a transferência do sinal de televisão analógico para o sinal digital, em linha com as recomendações da Comissão Europeia. A Comissão definira como prazo limite para a transição para o digital Junho de 2015.

Durante 2013 farão também o chamado switch-off (desligamento) do sinal analógico a Grécia, Polónia e Bulgária. A Hungria e a Antiga República Jugoslava da Macedónia contam fazê-lo entre este ano e 2014, e a Bósnia e Herzegovina aponta para o próximo ano. Para o último ano do prazo deixaram-se ficar outros países europeus como a Albânia, Roménia, Rússia, Montenegro e Turquia.

Quanto a lançamentos de novos projectos, foram lançadas plataformas de TDT paga em 21 países. Talvez devido à crise económica, o Observatório registou, pela primeira vez, uma diminuição do número de subscrições na TDT paga, de cerca de 13%. A situação mais significativa foi a de Itália, onde um milhão de subscritores anulou o seu contrato.

Ao mesmo tempo, acrescenta o OEA, alguns serviços de TDT paga em Espanha e Portugal acabaram por não se materializar. Em Portugal estavam previstos dois serviços: o base, gratuito, que teria seis canais – os actuais quatro generalistas, o quinto canal cujo processo de atribuição se encontra em tribunal, e um sexto em alta definição – e ainda um outro multiplexer, que seria pago e acabaria por concorrer com as ofertas de TV paga como o meo (que pertence à PT, que ganhou o concurso para a TDT) e a ZON.

O Observatório contabilizou, só em 2012, o lançamento de pelo menos 86 novos canais em sinal digital. No final do ano havia 456 canais nacionais ou internacionais em sinal digital gratuito, a que se somavam 529 canais pagos e mais de mil canais locais e regionais.

Mas, segundo a base de dados Mavise, um serviço utilizado pelo Observatório Europeu do Audiovisual, o mercado europeu da televisão esteve bem mais agitado: no ano passado a União Europeia viu nascer 369 novos canais de televisão no conjunto de todas as plataformas. Quarenta por cento destes novos lançamentos foram na tecnologia de HD – Alta Definição.

Por comparação com 2011, ano em que 143 canais foram encerrados no conjunto dos países da União Europeia, no ano passado fecharam 62 canais, acrescenta ainda o Observatório.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues