Presidente da República usou tomada de posse do XXI Governo Constitucional para lembrar que pode recorrer ao veto. António Costa serviu-se da cerimónia para reconhecer o Parlamento como seu verdadeiro juiz.

O que António Costa fez depois da noite eleitoral de 4 de Outubro é mais do que um simples ajustamento. É uma pequena revolução que criou espanto e pavor nos militantes da ortodoxia política estabelecida em 40 anos de regime, da qual o Presidente da República é o máximo representante.

Foi um dia “histórico”. Para toda a gente. O Parlamento dividiu-se em dois, e as ruas em frente também. A esquerda teve de combinar os aplausos. A direita inventou palavras de ordem. No fim, o Governo caiu, o sistema electrónico falhou e Passos prometeu “continuar a lutar".

O Inimigo Público A noite eleitoral que podia ter acontecido

Contas Marteladas

Última actualização a
Votos contados {{RemaingingParishes}}%

Deputados eleitos

  • {{allocatedMandates}} de {{availableMandates+4}} lugares
  • {{renovationResults}}% taxa de renovação
Passe para ver nome

Votos

  • {{blankVotersPercentage}}% Branco
  • {{nullVotersPercentage}}% Nulos
  • {{abstention}}% Abstenção

Por distrito

Resultados provisórios
Ver resultados completos e comparações com 2011

Últimas Notícias

10 de Março

03 de Janeiro

28 de Novembro

28 de Agosto

18 de Agosto

04 de Junho

06 de Março

11 de Fevereiro

05 de Fevereiro

30 de Janeiro