José Luís Peixoto no país mais fechado do mundo

José Luís Peixoto entrou no país mais isolado do mundo e depois escreveu um livro: Dentro do Segredo - uma viagem na Coreia do Norte. Foi em Abril, quando se celebrava o 100º aniversário do nascimento de Kim Il-sung, o fundador da nação. Nas duas semanas que lá passou, o escritor usou a câmara como um bloco de notas. Fotografou mais do que seria permitido. Filmou mais do que seria autorizado. Deixou-nos três apontamentos. Entremos, pela sua mão, na Coreia do Norte.

Artigos relacionados

  • "Em Galveias, numa vila com cerca de mil habitantes no interior do Alto Alentejo, havia uma pessoa muito preocupada com a morte de Kim Jong-il, em Pyongyang." Essa pessoa era o escritor José Luís Peixoto, que em Dezembro de 2011, quando o líder norte-coreano morreu, já estava com viagem marcada para o país mais fechado do mundo. Em Abril de 2012, partiu. "Viajar é interpretar", escreveu. Mas a ficção sobre o que viu, a acontecer, ficará para mais tarde, como contou à revista 2. Agora, publicou o seu primeiro livro de viagens: Dentro do Segredo - Uma viagem na Coreia do Norte. Outros "igualmente inesperados" virão

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.