Vereadores do PSD contra recife artificial em Viana

Social-democrata Ana Palhares acredita que afundar um avião irá poluir o mar e considera projecto da Costa Norte "folclore"

Os vereadores do PSD não querem ver "sucata" ao largo de Viana do Castelo e consideram mero "folclore" o projecto de uma empresa de turismo náutico de afundar um avião, a duas milhas da costa, para disponibilizar um recife artificial a turistas mergulhadores.

A empresa Costa Norte pretende afundar, na zona de Carreço, um avião com cerca de 60 metros. Anteontem, na reunião do executivo camarário, a vereadora social-democrata Ana Palhares referiu-se a esta notícia avançada pelo PÚBLICO, manifestando receios relativamente ao impacto ambiental da submersão de "sucata" no litoral do concelho. "Já chega o lixo que existe no fundo do mar, fruto do próprio tráfego marítimo e do que se afunda acidentalmente. É tão grave termos sucata a céu aberto como afundada", sustentou.

Ao argumento invocado pelo promotor de que se este tipo de locais de mergulho tem registado um crescimento em todo o mundo, a vereadora do PSD afirmou que Viana "não tem que seguir os maus exemplos".

Já o presidente da Câmara de Viana disse estar receptivo a estudar a proposta da Costa Norte de criação de um centro de mergulho aquático, "desde que sejam cumpridos todos os requisitos ambientais e de segurança". Para o socialista José Maria Costa, trata-se "de uma actividade muito interessante", do ponto de vista do turismo náutico, com muita procura em vários países e "com um grande conjunto de fãs que se deslocam muitos milhares de quilómetros para praticarem este tipo de mergulho".

Além da Bulgária e do Canadá, também Portugal aposta neste sector. Faro tem um centro de mergulho no local de afundamento de um avião da II Guerra Mundial e em Portimão, a câmara prepara-se para afundar em Setembro, ao largo de Alvor, quatro navios, entre eles a fragata Hermegildo Capelo, oferecidos pelo Ministério da Defesa.

Viana já manifestou abertura ao projecto da Costa Norte. "O promotor garantiu-me que as condições requeridas para o afundamento são totalmente seguras. Não pode haver zonas de risco para os mergulhadores", ressalvou José Maria Costa.

De acordo com a Costa Norte, as estruturas a afundar nestes casos são descontaminadas e preparadas, "para evitar acidentes ambientais e de outra ordem".

O projecto da empresa prevê a aquisição da carcaça de um avião militar ou comercial para submergir a 30 metros de profundidade. O investimento, de 1,5 milhões de euros, foi objecto de candidatura a fundos europeus e aguarda licenciamento por parte da Administração da Região Hidrográfica e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte. A Costa Norte também quer construir em Viana um equipamento semelhante ao Fluviário de Mora, num investimento estimado de cinco milhões.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues