A história nunca contada dos portugueses nos campos de concentração

O comboio partiu às 6h15. Era o dia 25 de Junho de 1942 e no seu interior apinhavam-se mil homens. Todos judeus. Tinham passado os últimos meses no campo de internamento de Pithiviers, a 87 quilómetros a Sul de Paris, mas agora chegara a ordem de partida. O destino, desconhecido para os passageiros do comboio n.º 813, era o campo de concentração de Auschwitz, na Polónia. A bordo ia Michael Fresco, um judeu português, nascido em Lisboa, a 15 de Setembro de 1911. Enquanto Michael era deportado para Auschwitz, Luiz Ferreira, um funileiro da região de Guimarães, emigrado em Lyon, já tinha sido “apanhado” pelo regime colaboracionista francês, por causa da sua filiação no Partido Comunista e da acção clandestina contra os ocupantes nazis. Maria Barbosa, natural de Ponte de Lima e também emigrada em Lyon, estava longe de saber que, dois anos mais tarde, em 1944, estaria a iniciar a sua viagem em direcção ao campo de concentração de Ravensbrück. Já Casimiro Martins, um algarvio que partira para os Pirenéus franceses, para se juntar a um irmão e trabalhar na construção civil, não podia ainda imaginar que dali a dois anos e meio seria uma das vítimas mortais do campo de concentração de Neuengamme. Portugal manteve a neutralidade durante a guerra que devastou a Europa entre 1939 e 1945, mas os portugueses não saíram incólumes do conflito. Dezenas foram transportados para os campos de concentração e alguns morreram lá. Um destino ignorado pelo seu país, esquecido por membros das suas famílias, desconhecido dos portugueses. Quase 70 anos depois do fim da guerra, as suas histórias são, finalmente, contadas.

Michael Fresco morreu com 30 anos, apenas por ser judeu. O “Michael Strogoff”, alcunha pela qual era carinhosamente tratado em família, nas tardes de reunião que os Fresco gostavam de partilhar com os primos, em Lisboa, abandonara Portugal para se instalar na cidade francesa de Nantes, como comerciante. Foi aí que o seu futuro foi definitivamente interrompido. Para trás, deixava uma vida lisboeta que parece doce e alegre, nas palavras dos descendentes da família. Alberto Fresco, 65 anos, filho de uma prima de Michael, nunca conheceu este parente distante, mas lembra-se de ouvir a mãe, Rebeca, falar dele. “A família juntava-se toda e havia grandes brincadeiras. A minha mãe contava que o Michael era uma pessoa muito extrovertida, muito jovial, de tal modo que ele tinha uma alcunha, um petit nom entre os membros da família. Era conhecido como o Michael Strogoff. Estava-se numa época em que os livros do Júlio Verne eram muito apreciados e eu lembro-me sempre de ouvir falar do Michael como sendo o Michael Strogoff, o correio do czar.” Uma sobrinha-neta de Michael, que prefere não ser identificada, também se lembra bem de ouvir a avó, Raquel, falar do irmão perdido na guerra. “Eu adorava que a minha avó contasse histórias de família e ela falava muitas vezes do Michael, com grande tristeza. Contava como tinha sido deportado e morrera em vagões de gado”, diz.

A Comunidade Israelita de Lisboa ainda guarda o “Termo de Nascimento” de Michael Joseph Fresco, um dos seis filhos de Nissim e Sultana Fresco, dois judeus turcos de Constantinopla que se haviam fixado em Lisboa, no final do século XIX. Dos seis irmãos — Alberto, Miriam, Rebeca (que haveria de mudar o nome para Raquel depois de casar com um português de uma família profundamente católica), Vitória, Michael e Ventura —, Michael é o único cuja morte nos campos de concentração nazis está confirmada.

Apesar de a deportação e morte de Michael em Auschwitz ser algo de que Alberto se recorda de ouvir falar desde criança, não sabe precisar quando é que o primo emigrou para França, nem se se casou, se teve filhos ou em que condições é que foi preso.

A neta de Raquel lembra-se de a avó contar que o irmão casara e que fora denunciado aos alemães “por um cunhado francês”. Alberto diz que essa é “uma história” que também já ouviu, mas que nunca foi confirmada. Pode ter acontecido que, à semelhança de outros passageiros do comboio n.º 813, Michael Fresco tenha respondido voluntariamente à convocatória para apresentação às autoridades feita a todos os judeus estrangeiros residentes em França, a 14 de Maio de 1941, pelo regime de Vichy, e que ficaria conhecida como a rafle du billet vert.

Do que não há dúvidas é que Michael Fresco residia no Quai d’Orléans, n.º 11, em Nantes, antes de ser detido. Os nazis eram meticulosos nos registos que faziam dos prisioneiros e o certificado que atesta a morte do português em Auschwitz escapou à destruição organizada de todos os registos, pelos alemães, nos últimos meses da guerra. Além da morada de Michael, o documento indica que ele morreu às 15h20 do dia 24 de Julho de 1942, menos de um mês depois de chegar ao campo que, por esta altura, já se expandira para os terrenos em Birkenau e se tornara numa verdadeira máquina organizada de matar. Para aqueles que não eram imediatamente seleccionados para as câmaras de gás, a esperança de vida era de poucos meses, Graças ao trabalho escravo que eram obrigados a suportar, à subnutrição ou às experiências médicas ali desenvolvidas.

No caso de Michael, a causa de morte apontada pelos nazis é hidropisia cardíaca. Rebecca Boehing, directora do International Tracing Service (ITS), na Alemanha, avisa que estas “certidões de óbito” devem ser olhadas com reserva. “Muitos dos nossos documentos foram criados pelas autoridades nazis, por isso se os nazis dizem: ‘o seu avô morreu de um ataque cardíaco, numa situação normal…’ Bom, não havia nada de normal em estar num campo de concentração, por isso é preciso contextualizar. Talvez tenha havido um ataque cardíaco, mas o que se passou? Que esforço foi feito antes?”, questiona.

Esta norte-americana, historiadora na Universidade de Maryland, Baltimore County, dirige o ITS desde Janeiro de 2013. Criado ainda antes do final da guerra, em 1943, pelos Aliados, o ITS congrega toda a documentação relativa aos campos de concentração. Estão ali fichas de nomes, listas de entrada ou de transferência dos campos, os Livros dos Mortos, em que se registavam as vítimas, as fichas de avaliação médica e as relações dos bens que os prisioneiros transportavam, cartões de identificação e, até, listas de pessoas com piolhos em determinado campo, que pormenorizam quantos piolhos foram encontrados em cada uma no dia em causa (os piolhos eram os principais transmissores de tifo, uma das doenças que mais assolaram os campos de concentração).

O ITS guarda cerca de 30 milhões de documentos relativos aos prisioneiros dos campos, aos homens e mulheres submetidos a trabalhos forçados durante o regime nazi e aos sobreviventes, que passaram pelos chamados Campos de Deslocados. Em Outubro de 2013, os seus arquivos foram classificados pela UNESCO como Memória do Mundo, pelo “valor excepcional e importância para a humanidade, pelo seu contributo para o conhecimento do impacto da guerra nas pessoas”.

Apesar da sua longa existência, o ITS só se abriu ao público em 2007. Até aí, apenas as vítimas directas do nazismo ou os seus familiares podiam aceder à informação guardada em três edifícios na pequena cidade no centro da Alemanha, Bad Arolsen. A digitalização de um elevado número de documentos e o alargamento dos objectivos do ITS, que passaram a incluir o acesso à pesquisa académica ou jornalística, disponibilizaram um manancial de informação de um valor inestimável. Permitiu, por exemplo, que se tornasse muito fácil responder a uma pergunta que até há pouco tempo não se fazia: houve portugueses nos campos de concentração?

Luiz, o militante
Nos arquivos do ITS os dados sobre Luiz Ferreira são abundantes. Só com a leitura dos documentos produzidos pelo regime de Adolf Hitler fica-se a saber que Luiz nasceu a 18 de Outubro de 1902, em “Braga, Província do Minho”. Que os seus pais se chamavam Lourenço (Laurent é a forma como aparece escrito nas fichas) e Joana Ferreira (Jeanine, de acordo com os documentos alemães), “nascida Oliveira”. Descobre-se também que Luiz foi internado no campo de concentração de Buchenwald como prisioneiro político, com o número 69369, e que era solteiro e sem filhos.

As características físicas do português, anotadas na sua ficha do campo, indicam que media 1,58 metros, pesava 61 quilos, era “louro”, “esguio”, de olhos castanhos e não tinha todos os dentes. Além disso, falava “francês, português e espanhol”. Já a ficha médica indica que ele tivera um acidente em 1925, que lhe deixara a mão esquerda danificada e que, em 1937, sofrera uma fractura na parte inferior da coxa direita, classificada como “ferimento de guerra”, o que apontava para a sua presença na Guerra Civil de Espanha (1936-1939). O nome de Luiz Ferreira aparece ainda numa lista de oito sobreviventes portugueses do campo de Buchenwald, feita pelos Aliados após a libertação.

Apesar de toda esta informação, Luiz continuava a ser apenas um conjunto de dados inseridos pelos nazis em documentos oficiais. Mas a Revista 2 encontrou, nos livros de baptismo do distrito de Braga, o registo no qual o Padre Joaquim Rodrigues da Silva certificava ter “baptizado solenemente”, na igreja de S. Paio de Figueiredo, em Guimarães, um menino chamado Luiz, que nascera naquela freguesia “às oito horas da manhã do dia dezoito do mês de Outubro do ano de mil novecentos e dois, filho legítimo de Lourenço Ferreira Martins, jornaleiro, natural desta freguesia e de Joanna de Oliveira, tendeira de cotim e natural da freguesia de S. Martinho de Leitões, deste concelho de Guimarães”.

Luiz nasceu nove meses depois de os pais terem protagonizado o primeiro casamento do ano em Figueiredo, a 9 de Janeiro de 1902, e haveria de ser o mais velho dos seis filhos do casal. O pai especializou-se como funileiro e viu a vida melhorar, fazendo vários acrescentos à casa que entretanto adquiriu em Airão, Santa Maria, para onde a família se mudou. Hoje, a velha casa ainda existe, em ruínas, abandonada às silvas, e há pelo menos uma sobrinha de Luiz, filha da sua irmã mais nova, Ana da Glória, que continua a morar em Airão. Mas é em Joane, Vila Nova de Famalicão, que encontramos Amélia Martins, a sobrinha favorita de Luiz, com 62 anos e uma colecção de memórias do tio. Amélia foi quem mais se aproximou do tio, quando ele, comunista, regressou ao religioso e conservador Minho do pré-25 de Abril. Nos anos seguintes, Amélia nunca parou de trocar correspondência com ele, de o visitar em França e até de o acompanhar em eventos do Partido Comunista francês. Quando morreu, foi a Amélia que Luiz confiou a responsabilidade de cumprir os seus desejos. E é ela quem guarda os seus livros relacionados com a II Guerra Mundial.

Amélia recebe-nos com essa pilha de livros e também com um álbum de fotografias do tio, dedicado a este conflito e à Guerra Civil de Espanha. Entre os volumes que Amélia trouxe de casa de Luiz, em Lyon, depois da morte deste, aos 89 anos, há um livro chamado La Déportation, feito pela Fédération Nationale des Déportés et Internés Résistants et Patriotes, que contém a inscrição, em francês: “Impresso especialmente para Louis Ferrera Martins Deportado em Buchenwald.” Neste livro, Luiz introduziu folhas pautadas, escritas à mão e dirigidas a Amélia, com o objectivo de a ajudar a compreender melhor as imagens a preto e branco que ocupam quase todas as páginas. Estas pequenas notas, cheias dos erros naturais de quem pouco fora à escola e abandonara o país há décadas, são um documento precioso para preencher as lacunas deixadas pelos documentos nazis e pelas memórias de Amélia.

“O meu tio foi uma pessoa que cumpriu bem a vida, porque entendeu tudo muito bem, apesar de todo o sofrimento. Cumpriu o papel dele no mundo. Penso que não era daquelas pessoas que chega ao fim e diz: ‘a minha vida foi uma perda de tempo’. Ele não podia dizer isso. Ele tinha a ideia de que tinha feito tudo o que podia”, conta Amélia, enquanto vai correndo os olhos e os dedos pelas fotografias espalhadas pela mesa.

Segundo Amélia, o filho mais velho de Lourenço e Joana chegou a estar emigrado com o pai em Inglaterra e em França, antes de um desentendimento entre ambos o ter levado a permanecer neste país. “Acho que o meu tio tinha algumas queixas do meu avô, já quando trabalhavam aqui, e lá as dificuldades acentuaram-se. Acabou por deixar o pai e desaparecer, já com vinte e tal anos. O meu avô teve de regressar sozinho, que ele nunca mais deu notícias. A minha avó perguntava, queria saber do filho, e o meu avô dizia ‘o rapaz fugiu’. Nada a fazer”, conta. Os pais de Luiz haveriam de morrer — ela com 83 anos e ele com 95 — sem terem mais notícias do filho. Sem fazerem a mínima ideia se estava morto ou vivo e, muito menos, que passara quase cinco anos em prisões francesas e em campos de concentração nazis.

Luiz começou a sua vida em França, sozinho, não se sabe exactamente em que ano, mas em 1932, conforme escreveu numa das notas deixadas à sobrinha, “já militava” no Partido Comunista Francês. Foi sindicalista até morrer, em 1991. Em 1936, partiu como voluntário para a Guerra Civil de Espanha e por lá ficou até 1938, usando o nome de código Simon. Nas notas que deixou a Amélia, uma foi colocada junto à fotografia do Coronel Fabien (Pierre Georges), morto em 1944 na frente da Alsácia, com a indicação: “Foi combatente comigo na 12.ª Brigada (Madrid 1938).”

Luiz integrou o Batalhão André Marty, liderado pelo comunista Fernand Belino e, quando ambos estavam já detidos na Prisão Central de Eysses, em França, o português é um dos prisioneiros que lhe oferece, a 7 de Novembro de 1943, um caderno, ostentando na capa um desenho de um voluntário das Brigadas Internacionais e um texto (com a assinatura, entre outras, de Luiz Ferreira) em que se pode ler: “Ao nosso camarada Belino este pequeno livro-recordação em que escreverá as datas memoráveis da nossa luta depois da formação em Eysses da nossa Amicale das B.I.; como testemunho da nossa fraternidade e dos serviços que ele prestou como oficial do Batalhão André Marty.”

Nas notas manuscritas inseridas no livro La Déportation, Luiz refere: “Desde 1940 a Resistência se organiza. Eu fui apanhado a 15 de Outubro de 1940. Outros seguiram o mesmo combate.” Junto a uma fotografia da Prisão Central de Eysses, o português escreveu: “Foi uma das minhas várias cadeias em França, antes de ser deportado [para] Buchenwald.”

A entrada dos comunistas no combate aos nazis não foi imediata. Nos primeiros meses de guerra, em consequência da assinatura do pacto germano-soviético de não-agressão em vésperas do conflito, muitos comunistas franceses recusaram-se a combater abertamente os alemães. O tempo acabaria por mudar as regras do jogo. Amélia não sabe as circunstâncias exactas em que o tio foi preso, mas o que ele lhe contou ao longo dos anos de convívio ajuda-a a resumir numa frase o percurso de Luiz: “Quando houve a invasão da França, [os comunistas] juntaram-se à Resistência francesa e foi aí que ele foi levado como deportado para a Alemanha.”

De facto, a deportação de Luiz Ferreira só iria acontecer no dia 31 de Julho de 1944, depois de quatro anos de prisão e de um período de internamento, eventualmente no campo de Noé, iniciado a 19 de Fevereiro desse ano, conforme se pode ler no seu Cartão de Deportado Resistente, que Amélia ainda guarda. A 31 de Julho, Luiz era um dos 1191 passageiros de um comboio que saiu de Toulouse em direcção ao campo de concentração de Buchenwald. E não era o único português.

De acordo com as listas de transportes reconstruídas pela Fundação para a Memória da Deportação quatro outros portugueses seguiam no mesmo transporte — Cândido Ferreira, 22 anos, de Famalicão; António Ribeiro, 49 anos, da Beira Alta, casado e com oito filhos; Aníbal dos Santos, 60 anos, de Bragança, casado e com quatro filhos; e Venâncio Dias, nascido a 14 de Maio de 1904 ou 1914, em S. Vicente, Vila Verde. Dos cinco homens enviados naquele dia para Buchenwald, quatro constam da lista de portugueses que sobreviveram à passagem pelo campo. Nessa lista não está, contudo, o nome de Cândido Ferreira.

Cândido foi internado em Buchenwald como prisioneiro político, apesar de na sua ficha constar que fora preso a 2 de Julho de 1943, em Roumazières, e condenado a um ano de cadeia por roubo. Com 1,62, cabelo negro e olhos castanhos, o português acabaria por morrer em Buchenwald, às 13h15 do dia 24 de Fevereiro de 1945. A razão (provavelmente forjada) foi gastrenterite. Menos de dois meses depois, a 11 de Abril, o campo era libertado por tropas norte-americanas.

Entretanto, como os outros prisioneiros, Luiz passara fome — Amélia diz que ele pesava 45 quilos no final da guerra —, perdera amigos e fora transferido para o subcampo de Schönebeck, onde a fábrica Junkers produzia peças para aviões. Destino idêntico ao de milhares de prisioneiros nos últimos anos de guerra, em que os alemães tentavam a todo o custo alimentar a indústria de armamento. Amélia diz que ele contava “muitas coisas do campo”, mas hoje o nervosismo faz-lhe fugir a memória, deixando-lhe apenas alguns fragmentos do que o tio lhe dissera. “Uma vez comeram um gato. Havia uma senhora casada com um guarda que tinha um gatinho. Eles estavam cheios de fome, caçaram o gato e comeram-no. Outras vezes dizia-me que, não tendo mais nada para comer, comiam pão com sal. Ele dizia ‘e até nos habituamos a comer aquilo e gostávamos’. Era pão com sal, não havia mais nada”, recorda. A outra coisa que Luiz repetia, quando via filmes que pretendiam retratar o Holocausto, diz Amélia, é que a realidade fora “muito pior”.

Nas notas que deixou à sobrinha, Luiz recorda o transporte (“os vagões estavam marcados, cavalos — 8, homens — 40, chegamos a estar 120 em cada carruagem”) e vários aspectos da vida no campo, incluindo o momento em que lá entrou, no início de Agosto de 1944 (“A chegada aos campos — chicote e cães para morder as pessoa”); a desinfecção (junto a uma foto de Auschwitz escreveu: “quando cheguei a Buchenwald (…) também nos introduziram numa sala de banhos muito parecida, mas como nessa altura precisavam de gente para trabalhar, escapamos”); os barracões (“Chalits [estrados] de 4 andares, em cada separação 5 lugares, mas em Agosto de 44, que estávamos 70 mil em Buchenwald, em vez de 5 pessoas nos colocaram 10 entre cada separação. Então, já vês, como sardinhas, à direita como à esquerda, tinhas sempre um par de pés diante do nariz, mas com a fome que tínhamos não se sentia o perfume”); ou as atrocidades cometidas contra os prisioneiros. (“Nesta página vês um quebra-luz e outros objectos todos feitos de pele humana. Ilse Koch era a esposa do comandante do campo de Buchenwald. Quando ela via num prisioneiro uma bonita tatuagem logo o mandava matar para confeccionar objectos de casa.”)

Apesar da gravidade dos factos que descreve, o Luiz “alegre” e “muito divertido”, que “até contava anedotas”, de que Amélia se recorda, parece saltar destas linhas. O mesmo acontece quando relata a sua libertação, depois de integrar uma das várias e muito mortíferas marchas a que os alemães forçaram os prisioneiros, à medida que os Aliados se aproximavam. “Depois de 27 dias de marcha Schönebeck, Berlim, Sachsenhausen (Parchim) aqui os soviéticos encontraram os americanos e fomos libertados. Para mim era o último dia. Se tinha de andar mais um dia também tinha direito a um tiro na cabeça. Era a sorte de todos os que não podiam andar mais”, escreveu. O Cartão de Deportado Resistente de Luiz Ferreira indica que a sua libertação aconteceu a 13 de Maio de 1945.

Só 21 anos mais tarde, em 1966, pouco depois da morte do pai, é que ele regressaria a Airão, onde os irmãos o encontraram, montado numa bicicleta, a regressar de uma visita ao túmulo dos pais, de amigos e de uma antiga namorada. Apesar de ter tido vários relacionamentos, nunca casou e a família não lhe conhece filhos.

Um enorme silêncio
Se Luiz Ferreira não tivesse regressado a Portugal e voltado a conviver com a família, o mais provável é que a sua história se tivesse perdido ou não passasse de fragmentos em documentos nazis. No ITS, Renate Bröker, que há 20 anos ajuda a reunir famílias ou a desenhar as histórias perdidas dos que morreram nos campos de concentração, garante nunca ter tido um pedido de informação vindo de ou sobre Portugal. Susanne Urban, directora do Departamento de História e Educação do ITS desde 2009, confirma a quase inexistência de contactos portugueses em busca de dados sobre cidadãos nacionais. “Penso que é porque as pessoas não conhecem o ITS em Portugal e porque este tópico em particular, da perseguição de portugueses pelos nazis, não é muito conhecido.” A directora do ITS, Rebecca Boheing, tem a mesma opinião: “As pessoas muitas vezes pensam, ‘bom, Portugal não esteve directamente envolvido na guerra, por isso é claro que não há vítimas portuguesas’. Mas as pessoas movimentavam-se muito e Portugal, claro, tem o seu próprio passado difícil. As pessoas procuraram refúgio noutros países e, por vezes, acabaram numa situação ainda mais difícil.”

A reduzida pesquisa sobre prisioneiros portugueses testemunhada pelo ITS é também corroborada por investigadores portugueses, que trabalham matérias muito próximas deste tema, como a emigração portuguesa em França ou a relação de Portugal com a II Guerra Mundial. Um deles é a historiadora Cristina Clímaco, com estudos publicados sobre o internamento de opositores de Salazar nos campos do sudoeste de França, no tempo de guerra. “Não há nada trabalhado sobre portugueses nos campos de concentração ou envolvidos com a Resistência. Há muitas coisas que se dizem, mas não há nada trabalhado”, admite. O historiador Fernando Rosas tentou, recentemente, obter uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia para investigar “os portugueses mortos nos campos de concentração”, mas a recusa do projecto levou-o, e à sua equipa, a alargar o âmbito da pesquisa para “o trabalho forçado de portugueses” no regime nazi, na tentativa de conseguir uma bolsa de uma entidade alemã. O historiador tem esperança de que esta candidatura seja aprovada em breve, mas ainda aguarda uma resposta. “Não há nenhum trabalho sobre os portugueses mortos nos campos de concentração e a nossa equipa, nas buscas preliminares que fez, já conseguiu detectar 70”, garante.

Fernando Rosas não tem dificuldade em encontrar razões para a falta de estudos sobre a presença de portugueses nos campos de concentração ou no trabalho forçado. “Imediatamente a seguir à guerra não se falou no assunto pelo facto de Salazar desejar ocultar a realidade. A postura oficial do Governo é que Portugal não tinha nada a ver com a guerra, sobretudo no que respeitava à Alemanha, e houve portugueses que fizeram também trabalho a favor da Alemanha. Era embaraçoso. Além disso, a história contemporânea só começou a ser trabalhada a partir dos anos 80. Há muita coisa por fazer. Sobre os refugiados judeus em Portugal, por exemplo, já há muito trabalho feito, sobre isto não, até porque não havia forma de lá chegar”, diz.

Já havia quem tivesse levantado um pouco o véu sobre o assunto. No livro Portugueses no Holocausto, publicado em 2012, Esther Mucznik fala do caso de Michael Fresco e indica o nome de alguns portugueses enviados para os campos de concentração, constatando: “A França forneceu o maior contingente de portugueses para a Resistência. É uma história desconhecida mas que merecia ser contada.” Também em Salazar, Portugal e o Holocausto, publicado no ano passado, as historiadoras Irene Flunser Pimentel e Cláudia Ninhos (que integra agora a candidatura de Fernando Rosas) recuperam uma história parcialmente contada pelo jornal O Século, em 1945, e que aponta para que o português Inácio Augusto Anta, chegado a França via Guerra Civil de Espanha, tenha morrido no campo de concentração de Sachsenhausen.

Ainda assim, o silêncio sobre este tema imperou nas décadas que se seguiram ao fim do conflito. E, mesmo durante a guerra, enquanto dezenas de portugueses residentes em França eram enfiados em campos de internamento (como acontecia com os franceses ou residentes de outras nacionalidades no país) e, posteriormente, deportados para os campos de concentração, a correspondência entre o Governo português e as legações nacionais em Paris e, depois do Armistício, em Vichy revelam o que parece ser um total alheamento da situação. Entre 1939 e Maio de 1945, os telegramas trocados entre as duas entidades referem-se, várias vezes, à questão dos judeus que procuram obter papéis portugueses ou ao interesse francês em que Portugal envie para aquele país mais trabalhadores, sobretudo para a agricultura, com a França a insistir na concretização de um acordo nesse sentido. Também há referência, logo após a invasão da França, em 1940, a portugueses que “estão sem trabalho e na miséria”, pelo que pretendem “regressar imediatamente a Portugal” (telegrama de 6 de Agosto de 1940, enviado da Legação de Vichy).

A “requisição” de mão-de-obra portuguesa pelos alemães também é tratada, em várias comunicações entre Lisboa e França, ao longo do ano de 1942, com o Governo de Salazar a insistir sistematicamente com a Alemanha para que este “trabalho obrigatório”, imposto pelos alemães a uma quota de residentes nos países ocupados, deixe de fora os portugueses, por serem cidadãos de um país neutro. Um pedido que os alemães fingem acatar, mas que, como é evidente num telegrama enviado a 29 de Abril de 1944, da Legação Portuguesa em Vichy para Lisboa, nunca cumpriu inteiramente: “Tendo sido informado pelos consulados Lyon e Toulouse de que a polícia alemã procede à prisão de operários portugueses domiciliados zona francesa do sul, em vista de incorporá-los no trabalho obrigatório, dirigi uma nota à Embaixada da Alemanha, salientando ilegalidade tal procedimento, pedindo libertação portugueses incorporados e cessão requisições.” Quase um mês depois, a 20 de Maio de 1944, a legação envia novo telegrama, denunciando “novas requisições e prisões” e indicando: “[…] Hoje mesmo acabo de ter notícia de prisões de portugueses recentemente verificadas sem motivo justificado.”

É provável que alguns destes portugueses tenham terminado em campos de concentração nazi, mas a única referência directa na correspondência diplomática entre Lisboa e Paris/Vichy à deportação de portugueses para a Alemanha acontece a 26 de Maio de 1944, num telegrama enviado de Vichy, às 18h44: “Autoridades alemãs prenderam português Luiz Júlio e Acácio Pereira. O primeiro nascido a 2 Setembro 1905 dirige uma exploração da sociedade anónima ‘Bagnaclarina’ onde se encontra há 13 anos e preso em Bagnac por autoridades alemãs a 12 Maio último, foi levado para Montanpan e em seguida Alemanha. O segundo, contramestre da empresa ‘Souchal’ foi preso pelas SS às 5h da madrugada seu domicílio e conduzido para Agen. Entreguei nota embaixada alemã reclamando contra detenção e pedindo libertação.” No mesmo dia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros responde, indicando: “[…] Não ser caso renovar instruções dadas em França pois comando já depois total ocupação insistira mais uma vez por cumprimento ordem sentido proibição alistamento forçado trabalho súbditos países neutros e tais ordens não podiam deixar ser conhecidas e cumpridas.” O telegrama diz ainda que os alemães solicitaram elementos de identificação dos portugueses afectados para “remediar mal onde o tenha havido”.

Não volta a existir qualquer referência a estes dois portugueses e a verdade é que pelo menos no caso de Acácio Pereira não houve lugar a qualquer tentativa de “remediar” o mal feito. Nascido a 8 de Novembro de 1913, em Odivelas, o português residia na pequena localidade de Lacapelle Biron, quando foi detido, durante uma incursão alemã, na madrugada de 21 de Maio de 1944, levado a cabo pela violenta divisão SS Das Reich (que, dias depois, a 10 de Junho, haveria de massacrar homens, mulheres e crianças de Oradour-sur-Glane, queimando toda a aldeia). Os alemães prenderam os homens com idades compreendidas entre os 18 e 60 anos. Várias aldeias em volta foram alvo destas incursões, designadas por “rafles”, e que partiriam, alegadamente, de denúncias sobre actividade da Resistência. Terá sido também no âmbito de um desses ataques que Luiz Júlio foi detido, a 12 de Maio, em Bagnac-sur-Célé. Aqui, os alemães detiveram 40 homens, em Lacapelle Biron, pelo menos 47. Entre eles, Acácio Pereira, mas também outros dois portugueses: André ou Mário de Sousa (nos documentos nazis o português está identificado como Ahleno, e na página da Amicale que se refere ao caso de Lacapelle Biron, aparece como André de Sousa e Mário de Sousa, em situações diferentes), nascido a 17 de Maio de 1905, casado, com dois filhos e analfabeto; e Joaquim Sequeira, nascido a 7 de Agosto de 1911, em Lalim, Lamego, casado, com um filho, e que também não sabia ler ou escrever.

Os três portugueses e os outros homens das redondezas foram metidos em camiões e enviados para a prisão de Agen. Acácio, André, Mário e Joaquim seriam depois deportados para o campo de concentração de Dachau, num comboio que saiu da estação de Compiègne a 18 de Junho de 1944, com 2143 passageiros, incluindo um outro português, Manuel Pires, nascido a 5 de Junho de 1905. Ao contrário dos três portugueses de Lacapelle Biron, detidos menos de um mês antes, Manuel Pires, com quatro filhos, de “raça ariana”, com “olhos azuis”, já tinha sido capturado pelos nazis a 29 de Novembro de 1943, por razões que se desconhecem. Os quatro portugueses deste transporte haveriam de sobreviver à guerra. Os três habitantes de Lacapelle Biron regressaram mesmo à localidade do departamento de Lot-et-Garonne e têm os seus nomes inscritos no monumento que recorda os deportados locais.

Os casos de Michael, Luiz e Acácio parecem resumir as razões pelas quais muitos portugueses se viram encarcerados nos campos de morte que o regime de Adolf Hitler implantou na Europa Central — eram judeus, participavam de alguma forma em redes de Resistência ou foram apanhados nas “rafles” alemãs. Os criminosos de delito comum, os homossexuais ou as pessoas consideradas “associais” poderiam encontrar o mesmo destino, mas a verdade é que, com a excepção de Michael Fresco, todos os casos de portugueses encontrados pela Revista 2 nos arquivos do ITS ou nas listas dos transportes que deixaram a França têm sempre a mesma indicação: “Prisioneiro Político”.

Susanne Urban, do ITS, explica que os portadores do triângulo vermelho, indicativo da sua condição de preso político, não tinham tratamento preferencial. “Eles eram levados para os campos supostamente para serem reeducados, para serem reformados e depois eram usados como escravos. Era muito comum serem transferidos várias vezes. Se uma fábrica era bombardeada, transferiam-na para o subsolo ou para outro lado”, diz.

1944 é o ano em que mais portugueses são enviados para os campos de concentração e muitos deles seguem em comboios que deixam o grande campo de internamento e de trânsito de Compiègne, logo nos primeiros meses do ano. Os quatro comboios que deixaram Compiègne em Janeiro de 1944 levavam sempre portugueses entre os passageiros.

Os três primeiros, com partida a 17, 22 e 27 desse mês, todos com destino a Buchenwald, transportavam mais de 5500 passageiros, incluindo sete portugueses. Sobre alguns deles pouco mais se sabe do que o local e data de nascimento, o percurso nos campos de concentração e se sobreviveram ou não à guerra. É assim com João Faria de Sá, 33 anos, de Famalicão; Manuel Alves, 33 anos, de Vila Verde; Júlio Laranjo, 24 anos, de São Tiago (ou Santiago); Prosper Colomar, 44 anos, de Lisboa; e Duarte da Paixão, 28 anos, de Torre do Terrenho, Trancoso. Mas, noutros casos, as fichas recuperadas dos campos de concentração contêm pormenores que lhes dão outra intensidade.

Há, por exemplo, o caso de Augusto José Rodrigues, 22 anos, de Cascais. Este homem, solteiro, de olhos verdes, vivia com a família em Marselha, e chega a Buchenwald sem o dedo indicador da mão esquerda. Ali, é enviado para a zona designada por “Pequeno Campo”, onde as condições de vida conseguiam ser ainda mais desumanas do que no resto do complexo. Por que foi enviado para lá? Não se sabe, mas a fama do local ditaria a sorte de Augusto, que morreu no bloco 58 do “Pequeno Campo”, a 2 de Março de 1944. Os nazis dizem que sucumbiu a uma tuberculose.

Outro caso estranho é o de Emílio Pereira. O minhoto, natural de Prado, Santa Maria, em Vila Verde, é detido com 33 anos e a sua ficha de prisioneiro é, de todas as que a Revista 2 consultou no ITS, a única que inclui a fotografia do detido. O rosto duro de Emílio ainda nos mira, de frente, tal como era quando chegou a Buchenwald, há 70 anos. Este pedreiro com 1,63 metros, moreno, fora preso a 11 de Dezembro de 1943 e chega ao campo com a indicação de ser um prisioneiro político. O curioso acerca de Emílio é o seu historial médico, que aparentemente o encaminharia directamente para a morte, por ser “dispensável”, e que nos remete para um homem que deveria ser um verdadeiro osso duro de roer.

Segundo a ficha médica feita pelos nazis, Emílio teve malária em 1923; em 1943 sofreu um acidente que lhe fracturou o crânio e lhe deixou uma cicatriz profunda, na cabeça, uma fractura no braço esquerdo e contusões na pélvis; foi operado ao fígado; sofria “três a quatro ataques de epilepsia por mês”; e era amblíope. Como é que ele se conseguiu manter vivo e não foi imediatamente enviado para a morte com este historial é um absoluto mistério, mas a verdade é que o português aparece na lista dos sobreviventes portugueses de Buchenwald.

Dos sete portugueses que deixaram a França em Janeiro de 1944, um deles tem uma forte ligação com um transporte que há-de sair também de Compiègne, no dia 31 desse mês. Maurice d’Azevedo, de 19 anos, pertencia a uma família portuguesa profundamente envolvida com a Resistência. Não se sabe se o jovem sobreviveu à guerra, mas a sua mãe, deportada no último dia do mês, haveria de regressar.

Maria d’Azevedo era uma das duas portuguesas a bordo do comboio de mulheres que deixou a França em direcção ao campo de Ravensbruck. A outra era Maria Barbosa. As suas histórias serão contadas na próxima edição da Revista 2.     

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.
Certificado de morte de Michael Fresco, em Auschwitz
Campo de Auschwitz II
Luiz Ferreira numa fotografia da colecção familiar
Monumento às vítimas de Buchenwald, na Alemanha
Reconstituição do interior de uma das barracas de Birkenau, onde os prisioneiros eram amontoados
Os terrenos do antigo campo de Buchenwald foram transformados num memorial
Emílio Pereira foi deportado para o campo de Buchenwald, como atesta a sua ficha de prisioneiro