Estes alunos nunca querem ir ao recreio

Imagine o que seria, para aprender os Descobrimentos, poder criar jogos de computador, programar robôs, criar mundos em videojogos ou escrever canções. A turma do 4.º ano do Colégio Monte Flor não tem de imaginar, porque é assim mesmo que aprende. “Meninos, hora do lanche. Quero toda a gente fora da sala, no recreio!”, mas ninguém quer ir ao intervalo. No vídeo de hoje, fomos descobrir os projectos que os alunos estão a desenvolver sobre os Descobrimentos.

O professor desta turma, Rui Lima, foi distinguido como Microsoft Innovative Educator Expert em 2011, 2013, 2014, 2015 e 2016, e foi considerado pela Microsoft um dos 18 professores mais inovadores do mundo. Acredita que os alunos devem ter um papel muito activo no processo de aprendizagem – processo esse que, neste caso, recorre muito a tecnologias. Quase todos os alunos têm um Magalhães, um tablet ou um computador. O professor disponibiliza materiais didáticos e o primeiro contacto com eles é feito autonomamente pelos alunos, em casa. Depois, desenvolvem projectos em equipa e esclarecem dúvidas com o professor.

Para além da regular sala de aula, todas as turmas do Colégio Monte Flor passam tempo no Learning Lab – traduzindo, um laboratório de aprendizagem. Neste laboratório, a aprendizagem é feita por etapas. Na primeira, os alunos escolhem em conjunto os temas que vão trabalhar (é a etapa “Sonha”). Depois, fazem pesquisa sobre o tema, em casa e na sala de aula (a etapa “Explora”). Segue-se a etapa “Planeia” - a discussão com os colegas e a decisão: “como é que vamos fazer o trabalho?”; “como é que o vamos apresentar?”. A que se segue a etapa “Faz”, ou seja, o momento de pôr as mãos na massa. Quando o primeiro rascunho da obra está feito, entram na etapa “Pergunta”, onde podem convidar alguém para ir à escola avaliar o “rascunho”, e ajudá-los a perceber o que resulta ou não. Depois, chegam à etapa “Refaz” e finalmente à “Mostra”, altura em que apresentam os trabalhos à própria turma, a outra turma ou, em alguns casos, à escola.

Estes alunos são finalistas do Colégio Monte Flor e a pergunta que surge é: “Quando saem do colégio, como é que estas crianças lidam com o ensino dito normal?”. A resposta do professor Rui Lima: “Os alunos que saem daqui têm uma grande capacidade de adaptação e são crianças autónomas, criativas e com um forte espírito crítico. Têm saudades dos projectos que faziam cá, claro, mas mantêm, na generalidade, o amor pela escola e pelo conhecimento em geral”.

Serão estas as escolas do futuro?

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.