Eleições europeias: de suspiro de alívio em suspiro de alívio

Qual é a percentagem de votos que fará as forças democráticas e europeístas deixar de suspirar de alívio?

Reserve as terças-feiras para ler a newsletter de Teresa de Sousa e ficar a par dos temas da actualidade global.
Ouça este artigo
00:00
08:06

1. No seu comentário aos resultados das eleições europeias de domingo passado, Timothy Garton Ash deixou um aviso: “Não permitam que ninguém vos diga que os resultados não foram assim tão maus.” Na sua coluna do Guardian, o grande historiador britânico da Europa advertia contra o imediato suspiro de alívio que se ouviu em Bruxelas e nalgumas capitais europeias quando foram conhecidos os resultados das eleições para o Parlamento Europeu nos 27 Estados-membros. As sondagens previam uma subida ainda maior dos partidos da direita radical e extrema. Mas, afinal, feitas as contas, “o centro tinha aguentado”. O PPE, os Socialistas e Democratas e os Renovadores continuavam a dispor de uma maioria no novo PE, mesmo que mais escassa, enquanto os dois grupos políticos mais extremistas e eurocépticos nem sequer chegavam a obter 25% dos 720 lugares.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.