Chefe da ONU para o clima pede “ambições máximas” no último dia técnico da COP28

Simon Stiell pediu aos negociadores dos páises na cimeira do clima “uma declaração muito clara que assinale o declínio definitivo da era dos combustíveis fósseis tal como a conhecemos.”

Foto
Simon Stiell, secretário-geral do UNFCCC Reuters/AMR ALFIKY
Ouça este artigo
00:00
01:34

O secretário-geral da convenção da ONU sobre alterações climáticas (UNFCCC), Simon Stiell, avisou esta quarta-feira aos países que devem chegar a acordo sobre uma acção ambiciosa para combater o aquecimento global na cimeira COP28, em vez de caírem na armadilha de marcar pontos ou da "política do menor denominador comum".

Numa cimeira em que as tensões crescem devido às diferentes visões sobre o futuro dos combustíveis fósseis, Stiell disse em conferência de imprensa: "Todos os governos devem dar ordens claras aos seus negociadores. Precisamos de ambições máximas e não de marcar pontos ou de políticas de menor denominador comum".

As observações de Simon Stiell surgem no momento em que a conferência de duas semanas se aproxima do seu ponto médio, altura em que a onda inicial de anúncios e promessas se esvai e as atenções se voltam para os progressos realizados nas negociações de bastidores.

No balanço global do que foi feito desde o Acordo de Paris, por exemplo, Stiell deixou o alerta: "Temos um texto de partida em cima da mesa... mas é um conjunto de wishlists e uma grande dose de pose. A chave agora é separar o trigo do joio", afirmou.

"No final da próxima semana, precisamos que a COP apresente um comboio de alta velocidade para acelerar a acção climática", apelou o granadino. "Actualmente, o que temos é uma temos uma carruagem velha a andar sobre carris frágeis."

"Há muitas opções que estão agora em cima da mesa e que dizem respeito à eliminação progressiva dos combustíveis fósseis. Cabe às partes analisá-las, mas apresentar uma declaração muito clara que assinale o declínio definitivo da era dos combustíveis fósseis tal como a conhecemos."

Sugerir correcção
Comentar