Veja a final dos 3 Minutos de Tese da Universidade de Lisboa. É nesta terça-feira

Estudantes de doutoramento da Universidade de Lisboa participam na final do concurso de comunicação do seu trabalho científico, em três minutos, para estimular o contacto da ciência com a sociedade.

Foto
Uma das bibliotecas da Universidade de Lisboa Nuno Ferreira Santos

“O conhecimento produzido nas universidades é essencial à resolução dos grandes desafios societais, mas mantido fechado será inútil” a afirmação de Luís Ferreira, reitor da Universidade de Lisboa, dá o mote à própria existência do concurso 3 Minutos de Tese, um desafio em que os alunos de doutoramento explicam o seu projecto de investigação em apenas três minutos para melhorar a capacidade de comunicarem com a sociedade. Esta iniciativa decorre pela primeira vez na Universidade de Lisboa, onde nesta terça-feira será conhecido o principal vencedor da competição – que receberá 5000 euros de prémio.

O concurso começará às 18h30, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa, e terá 12 finalistas a fazer as suas apresentações em público. Organizado pela Universidade de Lisboa, o concurso 3 Minutos de Tese conta com a parceria do jornal PÚBLICO e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD). O PÚBLICO transmitirá em directo, no seu site (no Ao Vivo) e nas redes sociais, a final desta competição de divulgação de ciência. E a universidade também convida toda a gente que queira assistir às apresentações dos finalistas a ir ao museu.

Além das comunicações dos 12 finalistas, a cerimónia contará com a actuação do matemático Rogério Martins, que apresenta o programa televisivo Isto é Matemática.

O 3 Minutos de Tese não é uma novidade absoluta. A competição nasceu na Universidade de Queensland (Austrália) e tem sido exportada para todo o mundo, para promover uma aproximação entre os cientistas e a sociedade – além de reforçar a importância das competências de comunicação dos investigadores. Mesmo em Portugal, este concurso já teve quatro edições na Universidade de Coimbra e duas edições na Universidade do Porto.

“A nossa relação com a universidade e a ciência é longa, conhecida e intensa”, destaca Manuel Carvalho, director do PÚBLICO. “Estar neste projecto é essencialmente uma forma de encorajar os estudantes e a academia, tornando o seu trabalho visível e valioso aos olhos dos cidadãos”, acrescenta, justificando assim a participação do PÚBLICO num projecto de valorização da ciência e de divulgação da investigação produzida em Portugal.

Foto
É a primeira edição do concurso 3 Minutos de Tese na Universidade de Lisboa Maria Abranches

O concurso já é organizado por mais de 900 universidades, espalhadas por 85 países. Quando o 3 Minutos de Tese nasceu, o estado australiano de Queensland enfrentava uma seca bastante severa. Para poupar água, os habitantes receberam instruções para cronometrar o tempo do duche e, como é explicado no site da universidade local, muitas pessoas utilizaram um temporizador de cozinha com alarme marcado para os três minutos. E de uma medida de emergência surgiu um projecto mundial. Alan Lawson, professor emérito da Universidade de Queensland, “juntou dois mais dois e a ideia da competição 3 Minutos de Tese nascia”.

Para se chegar aos 12 concorrentes que vão disputar a final dos 3 Minutos de Tese da Universidade de Lisboa, os candidatos submeteram um vídeo em que explicavam a importância e o impacto do seu trabalho de investigação em apenas três minutos e com um único diapositivo ou imagem como apoio. As candidaturas foram analisadas por um júri, que seleccionou os 12 finalistas.

Os 12 finalistas são Daniel Carvalho, Diogo Nunes, Inês Olaia, Joana Saraiva, João Januário, Lisa Senecal, Maria Catarina Botelho, Matteo Pisano, Miguel Pinheiro, Patrícia Chaves, Pedro Viana e Rita Castel’Branco.

O vencedor desta primeira edição receberá 5000 euros de prémio monetário, com o segundo e terceiro classificados a serem também reconhecidos, respectivamente, com 2000 euros e 1000 euros. A votação estará a cargo de um júri composto por investigadores de diferentes áreas da Universidade de Lisboa e por especialistas em comunicação de ciência.

A par deste concurso, o PÚBLICO criou o Conta-nos a Tua Ciência, um espaço no qual todos os alunos de doutoramento da Universidade de Lisboa, de todos os anos, podem partilhar um pequeno texto sobre a sua investigação científica. Com esta iniciativa, que decorre até ao final de Dezembro deste ano, o PÚBLICO promove também o contacto directo dos cientistas com os leitores e estimula a utilização por parte da comunidade científica de uma linguagem mais simples e próxima da sociedade.

Sugerir correcção
Comentar