São Paulo, uma senhora capital gastronómica

Prestes a completar 469 anos, a maior cidade brasileira tornou-se um radar de tendências e um caldeirão multicultural quando o assunto é culinária — que nunca esteve tão diversa e efervescente.

Foto
O sempre lotado A Casa do Porco ROGERIO GOMES

Para uma senhora prestes a completar 469 anos, São Paulo está mais enérgica do que nunca. O caldeirão multicultural que formou a cidade em quase cinco séculos adensou-se recentemente com outros fluxos de imigrantes e ganhou novos representantes — sobretudo nas cozinhas. A pandemia, claro, transformou a vida da maior cidade da América do Sul, que é também o centro financeiro e cultural do Brasil. Mas agora, quando alguma ideia de normalidade paira no ar (invariavelmente poluído) da metrópole, São Paulo parece encontrar um novo caminho ainda mais directo como a capital gastronómica que sempre foi destinada a ser. Segundo dados da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), entre Agosto de 2021 até Março do ano passado, uma média de 10,7 novos estabelecimentos abriram por dia.

Sugerir correcção
Comentar