Ninguém escapa à infância na trilogia de Tove Ditlevsen

Volume que reúne três livros de memórias que são um brilhante e intenso exercício (pioneiro) de escrita confessional.

Foto
Gyldendals Billedbibliotek

O bairro cosmopolita de Vesterbro, quase no centro de Copenhaga, é hoje um lugar sofisticado e caro. Mas nem sempre foi assim. Em 1917 (e durante mais algumas décadas), ano em que lá nasceu a escritora Tove Ditlevsen, aquele era um bairro proletário, de gente pobre, de operários cuja jornada de trabalho (para aqueles que o conseguiam ter) ainda era de doze horas. Era um local de edifícios sombrios, com apartamentos onde os jornais velhos faziam as vezes de toalha de mesa e onde nem sempre havia comida.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários