O dia em que chegamos aos oito mil milhões. Assim somos nós

No dia em que chegamos aos oito mil milhões, a Reuters escolheu as imagens que mostram como somos. 

Veshu, 25 anos, vende balões nas ruas de Karachi, Paquistão REUTERS/Akhtar Soomro
Fotogaleria
Veshu, 25 anos, vende balões nas ruas de Karachi, Paquistão REUTERS/Akhtar Soomro

Somos oito mil milhões. Esta terça-feira, 15 de Novembro, e segundo projecções das Nações Unidas, o planeta passa a ser casa para oito mil milhões de pessoas — o maior número que alguma vez albergou.

A Reuters reuniu imagens do mundo como ele é: diverso, repleto de cor, mas também de desafios. Dos conflitos mais recentes, como a guerra na Ucrânia, aos mais antigos, como na Palestina; aos retratos da desigualdade: a fome, malnutrição, desidratação. Um mundo que, mais do que sobrepovoado, consome em excesso — e está a braços com uma crise climática que tem urgência em ser resolvida. 

Mas as imagens também mostram que há cores, liberdade e esperança. Seja nas velas que se acendem por fé, seja nos oito mil milhões de semelhantes, tão diversos como os balões que enchem a mão de um comerciante do Paquistão. 

Uma descendente de imigrantes ucranianos acende uma vela durante uma missa da Igreja Ortodoxa em Rio Grande do Sul, Brasil
Uma descendente de imigrantes ucranianos acende uma vela durante uma missa da Igreja Ortodoxa em Rio Grande do Sul, Brasil REUTERS/Diego Vara
Mães esperam debaixo de uma árvore com os filhos num centro de malnutrição do Programa Alimentar Mundial, em Madagáscar
Mães esperam debaixo de uma árvore com os filhos num centro de malnutrição do Programa Alimentar Mundial, em Madagáscar REUTERS/Alkis Konstantinidis