Gal Costa (1945-2022), um cristal que se quebrou

Marcou sucessivas gerações com o seu canto cristalino até a morte a arredar subitamente dos palcos, aos 77 anos. Gal Costa deixa uma obra notável, que o mundo não esquecerá.

Foto
Gal Costa morreu nesta quarta-feira de manhã em sua casa, em São Paulo, vítima de enfarte fernando veludo

Nasceu Maria da Graça e cresceu no bairro da Graça, em Salvador da Bahia. Mas bastou uma só canção para fixar na memória colectiva a identidade que a projectou no Brasil e no mundo: Meu nome é Gal. Dona de uma voz cristalina que conquistou sucessivas gerações, a cantora Gal Costa morreu nesta quarta-feira de manhã em sua casa, em São Paulo, vítima de enfarte. Tinha sido operada recentemente, para lhe retirarem um nódulo da fossa nasal direita, e encontrava-se em repouso, por indicação médica, até finais de Novembro, altura em que deveria retomar a digressão do seu espectáculo As Várias Pontas de Uma Estrela, que tinha datas marcadas em Lisboa e Porto (dia 15 no Coliseu dos Recreios e 20 na Casa da Música) e fora adiado para Abril de 2023. A notícia da sua inesperada morte foi recebida entre a comoção e o espanto, no Brasil e fora dele.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários