Nova derrota da Douro Azul no caso de mulher despedida após oito anos “à experiência”

Supremo Tribunal volta a afirmar que contratos a termo renovados todos os anos são ilegais, porque actividade da empresa não pode ser considerada sazonal.

Foto
A Douro Azul faz cruzeiros na maior parte do ano, à excepção de dois ou três meses Fernando Veludo/NFACTOS

A empresa Douro Azul, de Mário Ferreira, teve esta quarta-feira uma nova derrota no caso da trabalhadora que estava ao seu serviço há quase oito anos e que foi despedida sem indemnização, sob o pretexto de que ainda se encontrava à experiência.

Sugerir correcção
Ler 30 comentários