Brasil: o mal menor

O “cadáver político” que esteve 20 meses preso e de quem – digamo-lo com frontalidade – não se duvida que tenha cometido os crimes, beneficiou, messianicamente, de Sergio Moro – oportunista obcecado, agora senador, e que mercadejou o cargo por uma breve passagem pela pasta da Justiça – e que se transformou, no desfibrilhador ‘lulista’.

Foto
Lula de Silva, depois de votar, neste domingo EPA/Fernando Bizerra

Não resultaram grandes novidades das eleições no Brasil no que diz respeito a uma análise macro. Apesar das sondagens que penalizam sempre candidatos de ultradireita – em especial Bolsonaro que se assume, sem pejos, racista, machista, homofóbico, antidemocrata, classista –, muito dificilmente Lula ganharia na primeira volta.

Sugerir correcção
Ler 9 comentários