As cadeiras vazias dos direitos humanos

A partir das actas e dos relatos das sessões de trabalho, a Mala Voadora põe em palco a Universal Declaration of Human Rights, de 28 a 30 de Setembro, na Culturgest. Uma peça apontada às discussões, aos idealismos e às desilusões dos consensos pela paz.

mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone
mala voadora
Fotogaleria
mala voadora Marco Pavone

No momento em que Jorge Andrade resolveu enfiar a cabeça nas intermináveis actas da comissão que integrou os trabalhos de preparação (e aprovação) da Declaração Universal dos Direitos Humanos, fê-lo esperançoso daquilo que ia encontrar. Imaginava o autor e encenador que o espírito por detrás de tal documento, uma bússola ética e moral no respeito por cada pessoa chegada a este mundo, fora movido pelo mais elevado idealismo, insuflado pelo término da traumática II Guerra e pela imperiosa necessidade de paz. Claro que algum desse espírito também terá estado presente durante os três anos em que decorreram as negociações para a redacção do texto final, mas o encenador e fundador (com o cenógrafo José Capela) da companhia Mala Voadora surpreendeu-se com a escassa cerimónia diplomática entre os representantes de países que, assim que se sentaram à mesa, desembolsaram de imediato de “discursos bastante violentos”.

Sugerir correcção
Comentar