Coby Sey: “Faço música como quem escreve um diário da vida urbana”

Já tinha dado nas vistas pelas colaborações com Tirzah ou Grouper. Agora o inglês Coby Sey, entre a poesia cantada e a electrónica apocalíptica, estreia-se com o álbum Counduit, que apresenta esta sexta-feira no festival Ponto d’ Orvalho, em Montemor-o-Novo.

Foto
Ksenia Burnasheva

Foi há um ano, no contexto do festival By: Larm, em Oslo, Noruega, um evento largamente dedicado a nomes emergentes, praticamente desconhecidos do grande público. No Kafé Haerverk, um espaço muito apertado, totalmente cheio, esperava-se pelo próximo nome a actuar. As conversas, o barulho do bar e as cervejas a circular, davam toda a ideia de que o público estava ali mais pela oportunidade de convívio do que propriamente para descobrir novos mensageiros da música popular.

Sugerir correcção
Comentar