Amnistia Internacional lamenta “perturbação e revolta” causada por relatório

Organização de defesa de direitos humanos diz que mantém conclusões mas que “nenhuma das acções ucranianas” que documentou “justifica de modo algum as violações da Rússia”.

Foto
Prédio de habitação destruído em Irpin ROMAN PILIPEY/EPA

A Amnistia Internacional (AI) pediu neste domingo desculpa pela “perturbação e revolta” causada por um relatório acusando a Ucrânia de pôr civis em risco, que enfureceu o Presidente, Volodymyr Zelensky, e levou à demissão da responsável da AI em Kiev.

A organização de defesa de direitos humanos publicou, na quinta-feira, um relatório dizendo que a presença de tropas ucranianas em zonas residenciais fazia aumentar o risco para civis ucranianos durante a invasão da Rússia.

“A Amnistia Internacional lamenta profundamente a perturbação e ira que o nosso comunicado de imprensa sobre as tácticas de combate do Exército ucraniano possa ter causado”, disse a organização com sede em Londres num email à agência noticiosa britânica Reuters.

“A prioridade da Amnistia Internacional neste e noutros conflitos é assegurar que os civis são protegidos. Este era, de facto, o nosso único objectivo quando divulgámos esta última investigação. Enquanto mantemos totalmente as nossas conclusões, lamentamos a dor causada.”

Zelensky acusou a organização de tentar tirar responsabilidade à agressão russa, enquanto a responsável do gabinete da Amnistia na Ucrânia, Oksana Pokalchuk, demitiu-se dizendo que o relatório era uma prenda para a propaganda de Moscovo.

Responsáveis ucranianos dizem que tentam retirar civis das zonas na linha da frente. A Rússia, que diz não atingir civis, não comentou este relatório.

No seu email no domingo, a Amnistia diz que encontrou forças ucranianas perto de casas de civis em 19 cidades e aldeias que visitou. A presença expõe os civis a risco de disparos russos, diz a organização.

“Isso não quer dizer que a Amnistia Internacional considere que as forças ucranianas são responsáveis pelas violações cometidas pelas forças russas, nem que o exército ucraniano não esteja a tomar medidas de precaução adequadas noutros locais do país”, declarou. “Temos de ser muito claros: nenhuma das acções ucranianas que documentámos justifica de modo algum as violações da Rússia”.

Sugerir correcção
Ler 26 comentários