Beber vinhos de Vital faz bem ao gosto e à biodiversidade

Se está cansado de brancos que cheiram ao mesmo, experimente os vinhos da casta Vital da região de Lisboa com tempo de estágio. Isso fará bem à sua educação e à promoção da biodiversidade da videira. E, já agora, fique a saber que os croatas andam de olho nela.

Foto
Diogo Lopes e Delfim Cordeiro, numa vinha velha de Vital, na serra de Montejunto DR

“O meu propósito é manter castas autóctones e de vinhas velhas, entre elas a Vital”, defende Marta Soares, a autora dos vinhos Casal Figueira. “Se nós não pagássemos bem as uvas Vital ao agricultor Delfim Cordeiro, ele já teria arrancado as vinhas”, realça Diogo Lopes, enólogo da Adega Mãe. Bem trabalhadas, estas frases dariam slogans perfeitos numa t-shirt branca salpicada de mosto de uva. Não deram — por enquanto —, mas dão jeito hoje para falarmos de vinhos brancos fantásticos e únicos num mundo que, nos grandes volumes, insiste em fazer vinho como quem faz refrigerantes. Donde, a casta Vital, na região de Lisboa, é uma bênção e merece atenção de toda a gente de bom gosto.

Há uma década havia no mercado dois varietais da casta Vital: o Casa das Gaeiras e o Casal Figueira. Hoje podemos acrescentar o Vital da Adega Mãe, o Vital Ramilo, o Vital de Hugo Mendes, o Vital Empatia, da Adega Cooperativa da Labrujeira (ACL), e o Vital da Quinta de Pancas. E, pelos vistos, não ficaremos por aqui.

A casta Vital é filha do cruzamento entre a Malvasia Fina (pela parte da mãe) e a Rabo de Ovelha (pela parte do pai). Por felicidade ou infelicidade, caiu na categoria das castas aneiras, significando isto que têm produções irregulares em função das condições climáticas.

O caso é tão peculiar com a Vital que, por vezes, as uvas, na altura da vindima, estão perfeitas num dia e, no outro, estão engelhadas ou podres, coisa que põe os agricultores à beira de um colapso cardíaco. Quando a perda é radical, os produtores dizem que a casta é uma meretriz (enfim, na realidade usam um sinónimo começado com a letra p, mas adiante que podem estar crianças na sala).

De resto, no processo de maturação, a cor da película das uvas passa rapidamente do verde/amarelado para a fase “pintada dos pardais” ou “cagada dos pardais”, que é quando os bagos começam a ganhar umas pintinhas acastanhadas, que, já agora, é o mesmo que acontece com a casta Bical da Bairrada, mas conhecida no Dão como Borrado das Moscas. Imaginemos um produtor do Dão numa feira a propor a um inglês o seu shitty fly wine. Mau, certo?

Ricardo Noronha é um enólogo com muito conhecimento da casta e desenvolveu a seguinte tese: “A casta atinge o seu auge na serra de Montejunto, por via dos solos calcários, dos níveis de humidade no ar e no solo (impedem o engelhamento dos bagos) e da boa circulação dos ventos (impedem a podridão), o que não significa que não haja muito a fazer do ponto de vista da condução das plantas. Já na adega, as uvas apanhadas cedo devem ser fermentadas com um bom trabalho de barricas e borras.”

A maioria dos enólogos que trabalha a Vital concordará com a primeira parte da tese do Ricardo no que diz respeito à questão do solar da casta, mas não no que se refere ao trabalho de barricas na fermentação. E ainda bem porque assim temos hipóteses de escolha.

Problemas vitícolas à parte, os vinhos desta casta são fantásticos e, nalguns casos, deslumbrantes, caso tenhamos a inteligência de abrir as garrafas com um mínimo de três anos de estágio, o que nos leva a comparar a Vital de Lisboa com a Encruzado do Dão. Como vinhos do ano são desinteressantes, mas, com o tempo, são fabulosos. Sabemos do que falamos porque já bebemos brancos de Vital com 20 anos que fariam boa figura em qualquer mesa requintada deste mundo.

E é a descoberta desta riqueza enológica diferenciadora que tem levado alguns produtores da região a plantar Vital, salvaguardando uma casta que quase desaparecia do mapa, o que seria trágico num país orgulhoso do seu património vitícola.

Foto

Agora, se o leitor quer perceber se temos ou não razão, terá seis vinhos à sua disposição.

Um, o Casal Figueira 2020 (20 euros), que é um trabalho louvável e de persistência de Marta Soares, a artista plástica que na adega tudo faz sozinha. Aqui trata-se de respeitar a pureza casta.

Dois, o Adega Mãe Vinhas Velhas. A colheita de 2019 (20 euros) é a expressão mais desafiante e complexa da casta que conhecemos (as notas químicas e iodadas são notáveis).

Três, o Vital Ramilo 2019 (16 euros) tem um comportamento curioso, visto que a região de Colares passa por cima da casta (o que não é defeito algum, bem pelo contrário).

Quatro, o Empatia da ACL 2019 (6 euros) é o vinho mais trabalhado do ponto de vista enológico (com borras e barricas) e vendido a um preço disparatadamente barato. Vale a pena provar as colheitas mais recuadas.

Quinto, o Quinta de Pancas 2019 (16 euros), que se revela com perfil mais internacional e com grande volume de boca.

Sexto, o clássico e untuoso Casa das Gaeiras 2017 (22 euros), feito para viver anos e anos em garrafa. E, sétimo, o irreverente Hugo Mendes 2020 (20 euros), que é também a expressão primária da casta (uvas apanhadas muito cedo e pouco sulfuroso), mas que exige mais tempo em cave para se revelar. Bebê-lo agora é um desperdício.

Ah! Estávamos para meter o ponto final no texto quando descobrimos, atrasadamente, que a câmara municipal de Alenquer e a câmara municipal de Benkovac, na Croácia, celebraram, em 2017, um protocolo de transferência de castas de um lado para o outro. E qual foi uma das castas que mais chamou a atenção dos croatas? A Vital, pois, até porque eles também têm por lá um maciço de calcário relativamente próximo do Adriático. Este ano far-se-á a primeira vindima nos dois países, com dez castas exóticas de cada parte. E, claro, tudo isso será relatado em breve no Terroir. Tempos interessantes, estes.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários