Aves, baleias, krill, espécies invasoras e paisagens únicas: investigadores portugueses desbravam o mundo na Islândia

Portugal e a Islândia podem estar a cerca de 3000 quilómetros de distância, mas há seis investigadores portugueses a ligar os dois países, fazendo do longe perto. São biólogos que encontraram na Islândia o que lhes faltava em Portugal para desenvolverem o seu trabalho. Alguns já vivem lá há anos, outros continuam entre os dois países. Todos contribuem para conhecermos melhor o mundo em que vivemos e as mudanças que está a atravessar.

NFS Nuno Ferreira Santos - 05 Julho 2022 -  reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas - viagem de norte Raufarhöfn para sul Reiquiavique pela costa este
Fotogaleria
NFS Nuno Ferreira Santos - 05 Julho 2022 - reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas - viagem de norte Raufarhöfn para sul Reiquiavique pela costa este? Nuno ferreira Santos
islandia,conservacao-natureza,biodiversidade,alteracoes-climaticas,oceanos,biologia,
Fotogaleria
, Nuno ferreira Santos
islandia,conservacao-natureza,biodiversidade,alteracoes-climaticas,oceanos,biologia,
Fotogaleria
Nuno ferreira Santos
NFS Nuno Ferreira Santos - 09 Julho 2022 -  reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas -  ponte de leif marcando a fronteira entre a placas tectonicas euro-asiatica e norte-americana
Fotogaleria
NFS Nuno Ferreira Santos - 09 Julho 2022 - reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas - ponte de leif marcando a fronteira entre a placas tectonicas euro-asiatica e norte-americana? Nuno ferreira Santos
NFS Nuno Ferreira Santos - 05 Julho 2022 -  reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas - viagem de norte Raufarhöfn para sul Reiquiavique pela costa este
Fotogaleria
NFS Nuno Ferreira Santos - 05 Julho 2022 - reportagem na Islandia para acompanhar seis biologos ( investigadores ) portugueses que estao a trabalhar nas areas da biodiversidade ( ambiente ) e das alteracoes climaticas - viagem de norte Raufarhöfn para sul Reiquiavique pela costa este? Nuno Ferreira Santos

A viagem foi longa e dificultada pela meteorologia: chuva, nevoeiro e temperaturas cada vez mais baixas marcam o caminho, até à localidade mais a norte da Islândia continental: Raufarhöfn, uma aldeia com menos de 200 habitantes e a apenas três quilómetros do Círculo Polar Árctico. Por ali, nestes dias, a temperatura máxima anunciada nos termómetros é seis graus Celsius, pelo que o calor que nos recebe no interior do Hotel Luzes do Norte (um dos dois únicos alojamentos da aldeia) é mais do que bem-vindo. Na recepção, Hólmsteinn Björnsson encanta-se ao descobrir que chegámos de Portugal, país dos vinhos que adora e promove, e quando lhe dizemos que vamos falar com um investigador português que ali vive, o seu rosto abre-se num sorriso: “O Pedro!...”

É mesmo isso. O biólogo Pedro Rodrigues, que há pouco mais de um ano assumiu a direcção do RIF Field Station, um centro de investigação situado na península em que está inserida Raufarhöfn, e que tem como objectivo estudar e monitorizar a paisagem subárctica única da península de Melrakkaslétta, mas também contribuir para a educação e o desenvolvimento local.

Vamos encontrar-nos com ele no dia seguinte, sem que o tempo lá fora dê tréguas, mas, por enquanto, Hólmsteinn Björnsson aproxima-se da mesa onde comemos a primeira refeição quente do dia — o jantar —, com uma garrafa já semivazia de um vinho tinto português. Conhece Portugal, diz, já esteve em Lisboa, no Porto e na Maia, onde está instalada a produção de redes de pesca que utiliza na empresa em que trabalha. Sim, porque ele pode ter um hotel na aldeia mais a norte da Islândia, mas também é pescador. E gosta de vinho português, que faz questão de vender aos clientes do hotel ou àqueles que possam procurar apenas o seu restaurante.

Foto
A viagem foi longa e dificultada pela meteorologia: chuva, nevoeiro e temperaturas cada vez mais baixas marcam o caminho

Convida-nos a terminar a garrafa. Junta-se a nós e diz que quer regressar a Portugal. Desafiamo-lo a ir ao Douro, que ainda não conhece. Depois, levanta-se e regressa com uma garrafa de vinho do Porto quase vazia. “Foi o Pedro que me ofereceu”, diz, antes de distribuir o conteúdo que resta por três copos, oferecendo-nos assim o único vinho que iremos beber na Islândia, onde os preços do álcool são proibitivos.

Pedro Rodrigues só chega na manhã seguinte, bem protegido para as temperaturas que já se habituou a enfrentar — afinal, é Verão, e ele já viveu aqui um Inverno —, e com um bom humor que não o há-de abandonar o dia todo, enquanto nos vamos sentindo cada vez mais enregelados a cada paragem do carro que ele vai conduzindo pelo território que é, agora, também um pouco seu.

O director do RIF é um dos seis investigadores portugueses que estão a trabalhar na Islândia, em áreas diversas, mas com pontos em comum: a biodiversidade e as alterações climáticas. De todos, Pedro Rodrigues é o que se encontra mais isolado, bem lá no Norte, enquanto os restantes cinco têm a sua área de trabalho no Sudoeste do país. Incluindo a sua mulher, a bióloga Joana Micael, que está a investigar as espécies marinhas invasoras, no Instituto de Pesquisa da Natureza do Sudoeste da Islândia, a mais de 600 quilómetros de distância. É preciso atravessar, literalmente, meio país, para se verem.

Foto
Aves na península de Melrakkaslétta
Foto
O biólogo José Alves estuda aves limícolas, sobretudo maçarico-de-bico-direito e falaropos
Foto
Anilhagem de aves com o biólogo José Alves

Mundo de extremos

Mais perto de Joana Micael estão os outros investigadores cujo trabalho o PÚBLICO foi conhecer: José Alves e Camilo Carneiro, que estudam diferentes espécies de aves limícolas, Filipa Samarra, que procura descobrir mais sobre as orcas e outras baleias que visitam o arquipélago de Vestmannayejar, e Teresa Silva, que não desiste da paixão que tem pelo krill, tema da sua tese de doutoramento, mas está já envolvida em outros projectos no Centro de Pesquisa Marinha e de Água Doce, em Hafnarfjörður, a sul de Reiquejavique.

Chegaram em anos diferentes, têm vínculos diferentes a diferentes instituições — José Alves, Camilo Carneiro e Filipa Samarra trabalham com a Universidade da Islândia —, mas têm algo em comum: encontraram ali a oportunidade e o terreno propício a desenvolverem as pesquisas que os apaixonavam ou que procuravam expandir. José Alves e Camilo Carneiro só passam ali temporadas ao longo do ano, quando é preciso fazer o trabalho de campo relacionado com a nidificação das espécies que estudam. Mas Filipa Samarra e Teresa Silva já ali vivem há anos e não se imaginam a voltar para Portugal. Por seu lado, Pedro Rodrigues e Joana Micael ainda estão a avaliar como pode ser o futuro, mas confessam-se muito inclinados a não abandonar a Islândia, depois de já terem experimentado trabalhar em Portugal e no Chile.

Foto
Cavalos em Vestmannayejar
Foto
Durante a viagem para Raufarhöfn, uma aldeia com menos de 200 habitantes e a apenas três quilómetros do Círculo Polar Árctico
Foto
Papagaio do Mar em Vestmannayejar

Fomos conhecê-los a todos e perceber como o seu trabalho nos está a ajudar a perceber as mudanças do mundo em que vivemos e que ali, naquela ilha isolada no meio do Atlântico Norte, são já bem visíveis.

É um mundo de extremos, onde um icebergue pode aparecer do nada ou baleias serem lançadas para terra, e aí morrerem, por tempestades que são cada vez mais frequentes e um mar que vai crescendo e engolindo antigas lagoas de água doce. Em que as aves se adaptam para chegarem na altura certa, num local em que a Primavera parece começar cada vez mais cedo, influenciando todo o ciclo de crescimento em redor. Em que se descobrem espécies de baleias em locais onde antes nunca tinham sido vistas, provavelmente porque a mudança na temperatura do mar está a levar também para novas localizações os animais de que se alimentam. E em que esse mesmo mar, mais quente, já permite a reprodução de invertebrados marinhos não-indígenas, que estão a invadir os portos islandeses, ao mesmo tempo que pode estar a contribuir para o declínio do krill, base da cadeia alimentar do universo marinho islandês, incluindo baleias e bacalhau.

As suas histórias, em mais pormenor, serão contadas ao longo das próximas semanas no site Azul e nas páginas da Ciência e Ambiente da edição impressa do PÚBLICO.

Foto

Pedro Rodrigues
Biólogo

A dirigir o RIF desde Maio de 2021, Pedro Rodrigues já se habituou à solidão do Subárctico, onde trabalha todos os dias para proteger uma paisagem única e cada vez mais afectada pelas alterações climáticas. Com cerca de 20 projecto em curso, próprios ou em parceria, o RIF tem também como função dar apoio a investigadores e ajudar ao desenvolvimento local da aldeia mais a norte do país.

Foto

Filipa Samarra
Bióloga marinha

Segundo os pais, desde os cinco anos que Filipa Samarra proclamava que iria ser bióloga marinha e estudar baleias. Hoje trabalha com a Universidade da Islândia e dedica muito do seu tempo a estudar as orcas do arquipélago de Vestmannayejar, incluindo a sua área preferida: a sua comunicação. A baleia-azul, as baleias-de-bossa as baleias-piloto são outras presenças habituais no local, ainda que as últimas só recentemente, e também requerem a atenção da portuguesa.

Foto

Camilo Carneiro
Biólogo

A desenvolver um pós-doutoramento na Universidade da Islândia, Camilo Carneiro passa o Verão à procura de ninhos e crias de maçarico-galego, uma limícola que anualmente realiza a migração entre a ilha e o Oeste de África, numa viagem de mais de cinco mil quilómetros, sem parar. O investigador está a estudar a relação desta espécie com o alimento disponibilizado nas planícies do Sudoeste da Islândia, nomeadamente, as bagas-corvo e alguns invertebrados, tentando determinar a sua importância no ciclo migratório das aves.

Foto

Teresa Silva
Bióloga marinha

A investigadora está na Islândia desde 2007 e foi ali que fez o doutoramento sobre a ecologia do krill na Islândia. Ainda que este crustáceo continue a ser a sua “paixão”, hoje o trabalho no Instituto de Pesquisa Marinha e de Água Doce ocupa-a com outras áreas, como descobrir o que há na camada mesoplágica do oceano, no âmbito de um projecto europeu.

Foto

Joana Micael
Bióloga marinha

No Centro de Pesquisa da Natureza do Sudoeste da Islândia, Joana Micael dedica-se particularmente a estudar as espécies não indígenas marinhas que estão a tomar conta dos portos do país. O aumento da temperatura das águas, que deverá ser ainda mais acentuado nos próximos anos, está a potenciar a proliferação destas espécies e a pôr em risco a biodiversidade local.

Foto

José Alves
Biólogo

Desde 2006 que José Alves passa parte da Primavera e do Verão na Islândia a acompanhar a nidificação de várias espécies de limícolas. O seu principal alvo de estudo sãos os maçaricos-de-bico-direito, mas hoje o seu trabalho enquanto investigador convidado da Universidade da Islândia estende-se a outras espécies, como falaropos ou ostraceiros. As migrações destas aves, bem como a estabilidade das espécies e o sucesso da reprodução são alguns dos aspectos que segue.


Este trabalho integra um conjunto de reportagens realizadas com o apoio das EEA Grants

Foto
Sugerir correcção
Comentar