Saburo Teshigawara: um Leão de Ouro em Veneza para uma dança além da dança

O coreógrafo japonês Saburo Teshigawara acaba de receber o Leão de Ouro Prémio de Carreira em Dança pela Bienal de Veneza. Petrouchka, a sua mais recente criação que apresentou em estreia mundial em Veneza, recria o emblemático ballet homónimo de Stravinsky.

Foto
Saburo Teshigawara e Rihoko Sato, a sua prima-bailarina, em "Petrouchka" que teve estreia mundial em Veneza andrea avezzu/cortesia bienal de veneza

Boundary-less – “sem limites” – dá título à edição 2022 de Dança da Bienal de Veneza, com direcção artística de Wayne McGregor, e ancora-se na potencialidade irradiante da dança como prática artística colaborativa. Estruturando-se frequentemente através da relação entre os corpos, a dança explora modos de movimento e transformação que tendem para o impermanente, num diálogo contínuo entre pensamento, corpo e matéria.

Sugerir correcção
Comentar