Uma democracia surda às reivindicações dos cidadãos

A qualidade da democracia portuguesa está em queda, em particular na dimensão da participação política. Mas se olharmos com atenção, a participação existe mesmo entre os mais jovens, só que por novos meios. E o caso do lítio revela que as consultas públicas para pouco ou nada servem.

Foto
As vozes discordantes contra as explorações do lítio não tiveram qualquer efeito na tomada de decisão do Governo Rafael Marchante

Nos últimos anos, Portugal tem vindo a seguir a tendência mundial para a diminuição da qualidade da democracia. Pelo segundo ano consecutivo, o país foi considerado uma “democracia com falhas” pelo Democracy Index, surgindo em 28.º lugar e caindo dois lugares face ao ano anterior, recorda Maria Fernandes-Jesus, investigadora e autora do capítulo respectivo no estudo sobre o estado da nação e das políticas públicas feito pelo Instituto para as Políticas Públicas e Sociais (IPPS-ISCTE), Recuperação em Tempos de Incerteza. Numa escala de 1 a 10, a Portugal foi atribuída uma classificação total de 7,82 em 2021, face a 7,90 em 2020.

Sugerir correcção
Ler 21 comentários