Moção de censura do Chega é “um exercício de oportunidade política”, afirma António Costa

Primeiro-ministro acusa partido de André Ventura de “vociferar muito e nada resolver”, enquanto esgrimiu medidas do Governo e os investimentos públicos para “resolver os problemas dos portugueses”. Moção rejeitada com os votos contra de PS, PCP, Bloco e dos dois deputados únicos, as abstenções de PSD e IL e os votos favoráveis do Chega.

Foto
Moção de censura do Chega levou o Governo de António Costa ao Parlamento Nuno Ferreira Santos

Um “exercício de oportunidade política na competição com os outros partidos da oposição": é assim que o primeiro-ministro classifica a primeira moção de censura ao seu Governo, apresentada pelo Chega “no dia em que o PSD iniciava o seu congresso com uma nova liderança” e marcada para o dia em que “estava prevista uma interpelação do PCP”.

Sugerir correcção
Ler 7 comentários