Luís Montenegro elege programa de emergência social e reforma da saúde como prioridades

Novo líder social-democrata defendeu o PSD como um partido “moderado”, centrado na “pessoa”. Criticou duramente a descentralização e rejeitou um referendo à regionalização.

Foto
Luís Montenegro quer PSD centrado na "pessoa" e sem "cismas ideológicos" Paulo Pimenta

Num congresso morno – em que os sociais-democratas já piscam o olho a Carlos Moedas – Luís Montenegro elegeu as sete causas em que vai trabalhar nos próximos tempos. À cabeça, o programa de emergência social para acudir às preocupações dos portugueses sobre o custo de vida, mas também a defesa da reorganização e reforma do Serviço Nacional de Saúde para acabar com o “caos” no sector, o alívio fiscal, um plano de acolhimento de imigrantes e a descentralização.

Sugerir correcção
Ler 15 comentários