Montenegro: rumo ao Durmitor, uma paisagem fascinante

Quem viaja para o Montenegro procura a sua admirável Riviera, à beira do Adriático. Envolta numa sublime paisagem montanhosa, oferece praias quase secretas, águas cálidas, mil e um recantos aprazíveis que apetece explorar. Mas este pequeno país é uma caixinha de boas surpresas. No seu interior, de natureza quase intocada, os atrativos multiplicam-se e há muito para descobrir. A leitora Antónia Matos Serôdio mostra-nos o caminho.

balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
P14 Antónia Matos Serôdio
balcas,unesco,viagens,fugas-leitores,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Crna Jezero Antónia Matos Serôdio
balcas,unesco,viagens,fugas-leitores,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Crna Jezero Antónia Matos Serôdio
balcas,unesco,viagens,fugas-leitores,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Crna Jezero Antónia Matos Serôdio
balcas,unesco,viagens,fugas-leitores,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Crna Jezero Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Curevac Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Curevac Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Ponte do Durdevica Tara Antónia Matos Serôdio
Most na Ðurdevica Tari
Fotogaleria
Ponte do Durdevica Tara Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Zabljak Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Zabljak Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Zabljak Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
Zabljak Antónia Matos Serôdio
�
Fotogaleria
P14 Antónia Matos Serôdio
balcas,fugas,montenegro,
Fotogaleria
P14 Antónia Matos Serôdio
�
Fotogaleria
P14 Antónia Matos Serôdio
Durmitor
Fotogaleria
P14 Antónia Matos Serôdio

Não seria justo para os outros destinos da nossa road trip pelos Balcãs dizer que esta foi a etapa mais bonita da viagem, porque estivemos em lugares memoráveis como Plitvice, Pula, Mostar, Sarajevo ou Kotor. Mas o Durmitor foi, sem dúvida, especial e o mais surpreendente.

Explorados os prazeres do Adriático, alguns locais imperdíveis da baía, como a preciosa Kotor, Porto de Montenegro, Tivat, Buvda ou Sveti Stefan, seguimos rumo ao Durmitor. Até Zabljak, a vila no coração do Parque que escolhemos como base, são cerca de 180 quilómetros de belas paisagens.

Localizado no Norte do Montenegro, o Parque Nacional Durmitor faz parte dos Alpes Dináricos e é a maior área protegida deste pequeno, mas maravilhoso país. Declarado Património Mundial pela UNESCO, distingue-se por uma paisagem fascinante moldada por vários picos acima dos 2000 metros de altitude, 18 lagos de origem glaciar, lindas florestas alpinas e numerosos rios inseridos na Reserva da Biosfera da bacia do rio Tara.

O Parque pode ser visitado em qualquer altura do ano e cada época tem os seus atrativos. A primavera, o verão e o outono são mais propícios a caminhadas, o inverno aos desportos de neve.

Zabljak, rodeada pelos altos picos do Durmitor e as verdes florestas alpinas, surge dispersa por vastos campos floridos. No Hotel Pavlovic, um apartamento simples, mas muito confortável esperava-nos.

No centro da vila, o posto de turismo fornece mapas, sugestões e toda a informação necessária. Privilegiámos as caminhadas pelo Parque Crna Jezero e pela zona que envolve o desfiladeiro do Tara.

Crno Jezero
Crno Jezero
Crno Jezero
Crno Jezero
Fotogaleria

Crno Jezero, um cenário inspirador

O Crno Jezero tem 39 000 hectares de extensão, mas é mais conhecido pela beleza singular de um dos seus dois lagos, o Lago Negro. Junto ao Centro de Visitantes segue uma estrada ladeada pela frondosa floresta que nos conduz a um cenário de suster o ar, como se respirar quebrasse o encanto. Aninhado entre os picos da montanha e o denso arvoredo, ei-lo, o Lago Negro. Apenas se ouve a natureza, um galho de árvore que se solta, um pássaro que se anuncia, saltos de peixes no lago. A tonalidade da água vai mudando ao longo do percurso, mais azul se reflete o céu e o branco dos picos, mais verde se reflete o arvoredo. Um cenário sublime.

Miradouro de Curevac

Outro dos locais imperdíveis do Durmitor é o Miradouro de Curevac. Fica a cerca de 15 minutos de carro de Zabljak e oferece vistas soberbas sobre o desfiladeiro do Tara.

Curevac
Curevac
Curevac
Fotogaleria

O Desfiladeiro de Tara, proclamado reserva ecológica mundial em 1977, é o maior desfiladeiro da Europa, com mais de 1500 tipos de flora e 130 tipos de aves. Há um trilho até ao miradouro, mas o mau tempo arrebatou-nos as vistas. Como recompensa, assistimos a uma repentina tempestade de nevoeiro. O fenómeno forma-se a partir do vale e em segundos atinge o topo da montanha, que fica imersa na neblina. Simultaneamente magnífico e assustador.

No final da tarde, o forno a lenha do hotel já fumegava, preparava-se um jantar. Curiosos, quisemos saber de que se tratava: assado de borrego. Nada mais retemperador e aconchegante para dois alentejanos encharcados do que um bom assado de borrego.

Fotogaleria

Ponte do Durdevića Tara

Uma passagem pelo Durmitor não fica completa sem a visita a um dos seus pontos mais emblemáticos: a Ponte do Durdevića Tara, sobre o grande desfiladeiro do rio Tara.

A ponte passa cerca de 150 metros acima do rio, e conta com cinco arcos, o maior dos quais com 116 metros. A sua construção terá tido início em 1937, de acordo com o projeto de Mijat Trojanović. É uma obra imponente, um belo monumento que com uma graça quase natural se distingue no verde exuberante. Lá em baixo, no fundo do desfiladeiro, o Tara ou a “Lágrima da Europa”, corre azul e apressado, formando rápidos.

P14
P14
P14
P14
P14
Fotogaleria

Junto à ponte, pratica-se rafting e zipline. Há grande afluência de praticantes e algum comércio.

P14, a estrada cénica

A saída do Durmitor foi através da estrada cénica P14, 50 quilómetros de picos com mais de 2000 metros, vales ondulantes, campos floridos, ovelhas pelos montes e vacas pela estrada, casinhas coloridas aqui e ali. Um percurso em que paramos vezes sem conta e no final só apetece voltar para trás.

A P14 tem o seu final apoteótico junto a Pluzin, quando a montanha desce em direção ao desfiladeiro do rio Piva num cenário incrível e inesperado. Uma mancha verde parece emergir da rocha e ao fundo do vale o Piva, que nos recebe num intenso azul.

Que forma magnífica de nos despedirmos. Até já, Durmitor!


Antónia Matos Serôdio (texto e fotos)
A autora escreve segundo o novo acordo ortográfico

Sugerir correcção
Comentar