A arte de tergiversar com competência

Tudo o que aconteceu nas urgências poderia ter sido evitado com mais rigor, exigência e capacidade de antecipação, como tantos especialistas referiram. Não foi, mas a responsabilidade política foi para parte incerta.

Custa perceber as razões que levaram o primeiro-ministro a acordar com o PSD, na anterior legislatura, o fim dos debates quinzenais. Por ser chefe do Governo, tem muito mais tempo do que os seus adversários políticos. Por ter a palavra final, consegue deixar sempre no ar a sensação de que tem razão. Por ser experiente, consegue transformar perguntas difíceis em assuntos irrelevantes. Por ser arguto, consegue tergiversar com competência e salvar-se das críticas mais duras sem danos visíveis. Nesta quarta-feira, António Costa voltou a exibir com mestria estes recursos.

Sugerir correcção
Ler 15 comentários