Amor, a quanto obrigas…

Espalhando as personagens por um conjunto de cenários, dispostos como as salas temáticas dos bordéis mais sofisticados do século XIX (responsabilidade de Marisa Fernandes), o encenador Rui Neto encontrou uma forma airosa e dinâmica de espelhar as personalidades daquele conjunto de desajustados desesperados por amor

tinder,cultura,teatro-aberto,amor,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Quatro mulheres, quatro homens, quatro minutos, ou seja, aos pares, durante 240 segundos de cada vez, à procura do amor filipe figueiredo
tinder,cultura,teatro-aberto,amor,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Vários cenários paras as personagens criadas por Luís António Coelho e encenadas por Rui Neto filipe figueiredo
tinder,cultura,teatro-aberto,amor,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
filipe figueiredo

Era tudo muito simples quando se resumia a procriação e preservação da espécie. Mas isso acabou provavelmente ainda antes dos neandertais. Agora – chama-se evolução – o amor tem muito que se lhe diga e assume muitas formas e feitios. A principal razão, provavelmente, é por ser, a bem dizer, assunto de humanos. Ora, os humanos, com a sua variedade e imaginação, ainda para mais inflacionadas pela contribuição da literatura e do cinema e do teatro, tornaram-no tema demasiado vasto, complexo, susceptível a muitas exaltações, equívocos, surpresas e bastantes desilusões, pelo que o melhor é restringir a coisa. Talvez ao seu lado mais utópico, e também mais armadilhado, isto é, o amor romântico, de preferência à primeira vista e para a vida.

Sugerir correcção
Comentar