Presidente da República diz que acolher refugiados é obrigação da sociedade portuguesa

O Dia Mundial do Refugiado assinala-se esta segunda-feira

Foto
Marcelo Rebelo de Sousa salientou a vocação de "inclusão e tolerância" que caracteriza os portugueses Reuters/ADRIANO MACHADO

O Presidente da República considerou esta segunda-feira, Dia Mundial do Refugiado, que a defesa dos direitos dos refugiados é “uma obrigação” do país e que os portugueses demonstram diariamente “inclusão e tolerância” no acolhimento.

“Portugal e os portugueses têm reafirmado, demonstrando no dia-a-dia, a vocação de abertura, inclusão e tolerância que nos caracteriza”, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa num comunicado divulgado na página oficial da Presidência da República na Internet.

Por ocasião do Dia Mundial do Refugiado, o chefe de Estado agradeceu “o esforço individual e colectivo” dos portugueses, que demonstraram no acolhimento de pessoas que fugiram dos seus países por inúmeras razões, como, por exemplo, conflitos ou as alterações climáticas.

O Presidente acrescentou que a defesa dos direitos dos refugiados, “acolhendo-os e integrando-os, é mais do que um imperativo de consciência, é uma obrigação de uma sociedade democrática, plural e com futuro”.

O último ano, disse, tornou ainda mais evidente a realidade de milhões de pessoas em todo o mundo (...). Da Ucrânia, do Afeganistão, de Moçambique, cito apenas três latitudes onde a guerra, a violação dos direitos humanos e as alterações climáticas têm obrigado milhões de pessoas a deslocar-se e procurar protecção”.

De acordo com dados disponibilizados pela Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), em 2021 havia 89,3 milhões de pessoas deslocadas em todo o mundo, entre as quais 27,1 milhões eram refugiados.

O número deverá ser ainda maior este ano, uma vez que a invasão da Rússia à Ucrânia levou à fuga de milhares de ucranianos para outros países, sem perspectiva de regresso à sua nação.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários