Dior foi a Sevilha mostrar como o flamenco dança com a alta-costura

O desfile aconteceu na histórica Plaza de España e serviu para revelar a nova colecção “Cruise 2023” da marca francesa, incluindo looks que evocavam a duquesa de Alba.

Plaza de España
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO
luxo,impar,christian-dior,sevilha,moda,design,
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO
luxo,impar,christian-dior,sevilha,moda,design,
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
luxo,impar,christian-dior,sevilha,moda,design,
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
luxo,impar,christian-dior,sevilha,moda,design,
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Sevilha
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
EPA/Jose Manuel Vidal
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO
Fotogaleria
Reuters/MARCELO DEL POZO

O flamenco foi celebrado num desfile, ao vivo, de Christian Dior na cidade de Sevilha, na noite de quinta-feira. O evento é um dos vários que marcam o retorno das marcas de luxo às passerelles depois de um período de paragem obrigatória, fruto da pandemia de covid-19, nos últimos dois anos.

O desfile aconteceu na histórica Plaza de España e serviu para revelar a nova colecção “Cruise 2023” da marca francesa, incluindo looks que evocavam a duquesa de Alba, Cayetana Fitz-James Stuart, a aristocrata mais titulada do mundo e um ícone da moda flamenca durante décadas, até à sua morte, em 2014.

A directora criativa da Dior, a italiana Maria Grazia Chiuri, disse à Reuters que o desfile e a colecção incluem várias colaborações, incluindo uma com a coreógrafa espanhola Blanca Li.

Foto

Chiuri disse ainda que outras colaborações produziram itens individuais, como chapéus, e o que ela chamou de um método de bordado “muito único e de alta-costura” com fios feitos de “prata real e ouro real”. “Eu nunca vi isso antes, nem em Paris, nem na Itália e nem na Índia”, assegurou.

Fotogaleria
Sugerir correcção
Comentar