Nas superfícies de Luísa Jacinto, a pintura faz-se com os olhos

Com duas notáveis exposições a decorrer em Lisboa, Luísa Jacinto afirma uma pintura que se move entre o fascínio e a dúvida, o corpo e a visão. E à qual voltamos em busca das cores, das vibrações, dos acidentes e das marcas que a constituem. Na Galeria Quadrado e no espaço da associação Brotéria.

Foto
NFS Nuno Ferreira Santos - 27 Maio 2022 - artista plastica Luisa Jacinto ++ na sua exposicao " The Ideia of Returning " na galeira quadrado azul Nuno Ferreira Santos

As cores aparecem e desaparecem. Num instante, abrem-se, no seguinte fecham-se. Os olhos acendem-nas, mas elas escapam-se-nos. Por isso, queremos vê-las, uma e outra vez. Estas cores — tão discretamente voláteis — são pinturas. E integram a exposição A ideia de voltar de Luísa Jacinto (Lisboa, 1984), patente na galeria Quadrado Azul, em Lisboa, até 30 de Julho. Afirme-se, desde já, que se trata de um momento notável no percurso da artista, ao qual se junta outro: no espaço Brotéria, também em Lisboa, o visitante poderá entrar, até 2 de Julho, em É o cenário que se move, diálogo com a alemã Isa Melsheimer (Alemanha, 1968). Sim, uma energia sopra, por estes dias, o trabalho de Luísa Jacinto, libertando-o, expandindo-o.

Sugerir correcção
Comentar