A adega que cuida da história e do património dos vinhos do Pico

Com modernização e reconversão operada por Bernardo Cabral, a Pico Wines coloca os seus vinhos na linha da frente. Depois dos varietais, também um espumante de excelência, e chega agora a vez dos licorosos.

Foto
Rui Soares

No início era o único produtor e teve um papel decisivo na recuperação dos vinhos dos Açores. A Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico (CVIP) representa hoje mais de dois terços da vinificação da ilha, tem cerca de 300 associados, é a verdadeira guardiã e curadora do património e história dos vinhos da ilha, e o negócio vai de vento em popa.

Sugerir correcção
Comentar