Carreiras internacionais: “Os actores portugueses vão continuar sempre a ter trabalho”

Directores de casting estrangeiros reunidos em Lisboa não vêem menos oportunidades apesar do tropeção da Netflix. “Os actores portugueses não estão encurralados sendo só portugueses. São europeus.”

Foto
Priscilla John e Leo Davis em Lisboa na abertura do Passaporte 2022 Afonso Castella

Nos últimos dois anos, tudo mudou no cinema e na televisão. Com a pandemia, o streaming deu um salto de popularidade ao mesmo tempo que há cada vez mais plataformas — e quase já não é notícia dizer que um actor português integra o elenco de uma série ou filme internacionais. Esse caminho, em muito trilhado pelo programa Passaporte, reabre-se esta quinta-feira em Lisboa, com uma selecção de actores nacionais a conhecer directores de casting de todo o mundo e assim lançar sementes num terreno que tem sido fértil. Porém, não estará a bolha do streaming prestes a rebentar? O PÚBLICO obteve uma resposta categórica das directoras de casting de filmes como The Batman e de séries como Mindhunter ou White Lines: esta é uma internacionalização sem retorno e “os actores portugueses vão continuar sempre a ter trabalho”.

Sugerir correcção
Comentar