O país da “raspadinha”

O famoso elevador social está encravado. E a avaria é estrutural, não é de conserto fácil. O que há, de vez em quando, são uns clarões que iludem.

Soube-se esta semana: o Conselho Económico e Social vai estudar o vício da “raspadinha”. Na primeira etapa, será feita a caracterização socioeconómica de quem joga, sendo a segunda e terceira fases destinadas a chegar-se a um diagnóstico, com o perfil dos apostadores e a sua relação com comportamentos de vício em evidência, estando contempladas ressonâncias magnéticas a quem padece de dependência.

Sugerir correcção
Ler 11 comentários