De mão dada com o grande rio Guadalquivir, da nascente até à foz

Da nascente, a 1400 metros de altitude, até à foz, próxima de Sanlúcar de Barrameda, o Guadalquivir percorre mais de 650 quilómetros por entre cidades e vilas onde o viandante é obrigado a deter-se, de Sevilha a Córdova, de Montoro a Lora del Río.

andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Almodovar del Rio LOLO VASCO/ TRAMAGESTIÓN/ TURISMO ANDALUZ
andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Nascente do Guadalquivir: Sierra de Cazorla TURISMO ANDALUZ
andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Guadalquivir a caminho da Ponte de Herrerias, Sierra de Cazorla TURISMO ANDALUZ
Archivo Fotográfico de Turismo Andaluz. Junta de Andalucía�
Fotogaleria
Montoro TURISMO ANDALUZ
andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Montoro TURISMO ANDALUZ
,Alemanha
Fotogaleria
Sevilha TURISMO ANDALUZ
andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Puebla del rio, Canada de los Pájaros TURISMO ANDALUZ
andaluzia,sevilha,viagens,fugas,espanha,rios,
Fotogaleria
Lebrija TURISMO ANDALUZ
Jardim do Estoril
Fotogaleria
Isla Major TURISMO ANDALUZ
,Rota
Fotogaleria
Foz do Guadalquivir, Sanlúcar de Barrameda TURISMO ANDALUZ

O nome, desde logo, inspira exotismo: Guadalquivir. São, no total, 657 quilómetros, desde a nascente até à sua foz, no porto de Bonanza, em Sanlúcar de Barrameda, atravessando paisagens da Andaluzia que umas vezes parecem amar aquela corrente e que, noutras, menos talvez, sugerem alguma rejeição face àquele curso. Umas e outras estão, ainda assim, de acordo: estas águas, vindas de fontes míticas e místicas das montanhas de Sevilha, por vezes estendendo-se, aqui e acolá, calmas, ignorando o seu destino, até ao grande Atlântico, são responsáveis por lendas e por cidades de ouro, por uma descida do rio que me remete, durante estes dias, para toda a história andaluza em geral, sempre com tempo, exigindo paciência, a contagem de cada passo que dou nesta verdadeira empreitada a que me proponho: percorrer todos estes quilómetros desde a primeira gota do Guadalquivir, tão selvagem, tão estéril de aldeias e vilas ao longo do seu curso, até à doce Sanlúcar de Barrameda, esse final de uma viagem para mim, o início de uma outra, num outro tempo, para os conquistadores, essas últimas águas que, temidas pelos marinheiros perante a possibilidade de naufrágio, com as suas rochas negras e os seus bancos de areia, não eram mais do que as últimas águas a caminho da América. As últimas águas de um sonho. De um sonho nem sempre concretizado.

Sugerir correcção
Comentar