Dois homens de jazz numa noite com voz de mulher

A recente morte de Paulo Gil (1937-2022) traz à memória uma dessas noites onde simples acasos provocam encontros inusitados. No Hot, em 2018.

A mais recente edição da revista do Hot Clube (o número 17, de Março deste ano) é dedicada a uma despedida. O número anterior também já o fora, devido à morte de Manuel Jorge Veloso (1937-2019), assinalando a sua partida com um adequadíssimo título de standard: Everytime we say goodbye we die a little. Mas desta vez, passado o hiato ditado pela pandemia, o adeus “gravado” na Hot News foi outro: o sempre presente Luís Hilário deixara o seu posto. “Caiu em tentação e ‘reformou-se’”, explicava a revista, de novo num texto com título de standard (I’m getting sentimental over you) a anteceder uma série de depoimentos elogiosos, assinados por (nesta ordem) Inês Homem Cunha, Bruno Santos, Carlos Bica, Mário Franco, Jerónimo Belo, Paulo Gil e António Curvelo.

Sugerir correcção
Comentar